SP vai exportar 550 mil doses da vacina Influenza para países asiáticos

O acordo comercial é inédito e, logo que concretizado, prevê envio do imunizante produzido pelo Instituto Butantan para Mongólia e Filipinas

Comentar
Compartilhar
28 AGO 2020Por Da Reportagem15h10
Essa é a primeira vez na história em que SP exporta vacinas para países asiáticosFoto: Divulgação

O Governador João Doria anunciou, nesta sexta-feira (28), a exportação inédita de 550 mil doses da vacina Influenza para países da Ásia. A ação histórica está em fase final de tratativas entre Instituto Butantan e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ao ser viabilizado, o acordo vai prever a destinação de 300 mil doses para a Mongólia e outras 250 mil doses para as Filipinas.

"São Paulo exporta, pela primeira vez na história, 550 mil doses da vacina contra a gripe para países asiáticos. É a primeira vez que isso acontece nos 119 anos do Instituto Butantan. A Organização Mundial de Saúde solicitou vacinas para a Mongólia e para as Filipinas. A solicitação da OMS consolida o instituto como uma das instituições mais importantes e respeitadas da produção de vacinas no mundo", destacou o Governador João Doria.

O Instituto Butantan possui a maior fábrica de vacinas contra a gripe do Hemisfério Sul e, neste ano de 2020, bateu recorde de produção. Um total de 80 milhões de doses foram fornecidas ao Ministério da Saúde, para a campanha de vacinação realizada anualmente.

Para o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, a exportação para o continente asiático é um momento significativo a instituição: "Confirmando esta transação comercial, o Instituto Butantan se consolida ainda mais como uma das instituições mais importantes e referência na produção de imunizantes e soros ao redor do mundo", destaca.

Coronavac

A vacina contra o coronavírus, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science, vem se mostrando uma das mais promissoras no mundo. Confirmadas a segurança e a eficácia do imunizante, também poderá ser distribuído a outros países. "Já estamos em estágio avançado dos ensaios clínicos da vacina e, inclusive, em tratativas para o fornecimento a países da América Latina como Argentina, Peru, Colômbia e Chile", reforça Dimas Covas.

A vacina utiliza tecnologia já conhecida e amplamente aplicada em outros imunizantes. Por isso, a expectativa do Instituto Butantan é de que a incorporação da Coronavac ao sistema de saúde ocorra com facilidade.

Dengue

O Instituto Butantan possui uma moderna fábrica de vacinas contra a dengue e está desenvolvendo o imunobiológico que deverá proteger contra os quatro sorotipos do vírus - em fase final de testes com 17 mil voluntários. Além disso, firmou parceria com a norte-americana MSD para a transferência de tecnologia da vacina tetravalente contra a dengue, o que corrobora a excelência internacional do instituto, ao colaborar mundialmente com o desenvolvimento de um imunizante para prevenir uma doença tropical presente em mais de 100 países.