SP começa em dez dias internação involuntária de usuários de crack

Governo paulista começa identificação de ususários de crack com alto grau de debilidade, que poderão ser internados involuntariamente.

Comentar
Compartilhar
04 JAN 201317h21

 O governo paulista inicia dentro de dez dias a identificação de usuários de crack com alto grau de deblidade que poderão ser internados involutariamente para tratamento. As equipes médicas farão as abordagens na região central da Nova Luz, conhecida como Cracolândia.

Segundo o governador Geraldo Alckmin, o recolhimento compulsório ocorrerá em casos mais graves quando o viciado demonstrar claramente dificuldade em tomar decisões por causa do efeito da droga. Neste caso, o viciado será levado para o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod ), no bairro do Bom Retiro, onde um juiz, um promotor e advogados decidirão se cabe a internação involuntária.

De acordo com Alckmin, a interdição do usuário nessas condições está prevista em lei. “Muitos pais, tenho certeza, vão procurar o Cratod”, argumentou o governador, ao mencionar casos em que os pais já não sabem como lidar com filhos dependentes de drogas.

o recolhimento compulsório ocorrerá em casos mais graves quando o viciado demonstrar claramente dificuldade em tomar decisões por causa do efeito da droga. (Foto: Bruno Kelly/Reuters)

A medida é adotada um ano após o início da operação policial na Cracolândia. No início de janeiro de 2012, a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana passaram a atuar ostensivamente contra os usuários e traficantes de crack que se aglomeram no entorno da Estação da Luz.

O Ministério Público de São Paulo (MP) considerou a operação inútil, pois o uso e tráfico de crack permanecem na região. Entrou com uma ação civil pública contra o governo paulista pedindo indenização de R$ 40 milhões por danos morais individuais e coletivos por violações de direitos humanos na remoção dos usuários.