Secretário de São Vicente diz que verba do SUS não paga a demanda do Município

França explicou que repassa ao Hospital São José que possui 120 leitos SUS, o equivalente a produção

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201314h56

O secretário de Saúde de São Vicente, Cláudio França, disse que apesar do aumento de 30% na tabela SUS de procedimentos de média e alta complexidade (MAC), ainda está apreensivo quanto à correção do repasse para o Município. “O que temos acompanhado é que houve um aumento nos valores de alguns procedimentos de média e alta complexidade, mas ainda não sabemos é se esse aumento também será repassado para os municípios. Todo ano fechamos um pacote de procedimentos e sobre esse pacote é que é calculado o repasse do SUS, porém, o que produzimos é muito maior que o pacote”, explicou o secretário.

França explicou que repassa ao Hospital São José que possui 120 leitos SUS, o equivalente a produção. “Repassamos ao São José de R$ 280 mil a R$ 300 mil, por mês. A maternidade e a pediatria do São José é 100% SUS. São feitos 200 partos/mês no São José. As UTIs adulto e infantil possuem 10 leitos, cada. França espera que o repasse para o Município também seja corrigido, pois em 2006, o déficit foi de cerca de R$ 3 milhões. “Não recebemos por produção e sim pelo pacote. Então se o repasse não for corrigido proporcionalmente à correção dos valores dos procedimentos posso ter um déficit ainda maior”, analisou França.

CREI
   
Se quem depende do Sistema Único de Saúde enfrenta desgaste, no Centro de Referência em Emergência e Internação (CREI) — o Pronto-socorro Municipal — não é diferente. “Aqui no CREI nunca tem pediatra, só clínico e é muito sujo também. Tem sangue no chão. Uns dias atrás minha filha de 4 meses teve princípio de pneumonia. Eu trouxe ela aqui e não tinha pediatra. Aí tive que levar ela lá no Hospital da Zona Noroeste, em Santos”, afirmou o pintor, Marcelo Teixeira de Farias, cuja família não tem convênio médico e depende exclusivamente da rede pública de saúde.

Marcelo disse que não tem esperança de uma melhora da qualidade de atendimento no CREI. Segundo França, o Município abrirá um concurso público para a contratação de profissionais da saúde. O secretário afirmou que a intenção é aumentar o quadro de médicos e enfermeiros da rede pública em 30%.