Saúde de Guarujá está sendo reestruturada e terá mais 10 unidades de atenção básica

A declaração foi dada pela prefeita Maria Antonieta de Brito, que estava em Brasília, na 14ª Marcha dos Prefeitos

Comentar
Compartilhar
11 MAI 201115h39

No dia em que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou, na 14ª Marcha para Prefeitos, em Brasília, que dobrará o repasse às equipes do Programa de Saúde da Família que cumprirem metas de qualidade e a reestruturação das unidades básicas de Saúde, a prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito, que participou do evento, afirmou que o Município já está reestruturando a rede de atenção básica de saúde. Antonieta também é vice-coordenadora estadual da Frente Nacional dos Prefeitos e uma liderança regional.

A prefeita afirmou que além da reestruturação das 16 Unidades Básicas de Saúde também serão construídas mais dez unidades, no Município. Os novos centros de saúde serão erguidos com recursos do Ministério da Saúde e do Município. As obras de três unidades já começaram. São elas, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Enseada e duas Unidades de Saúde da Família (Usafas) do Jardim Las Palmas e Jardim Progresso.
   
Segundo a prefeita, os novos centros serão transformados em Unidade de Saúde da Família (USAFA), com equipes atendendo às comunidades em período integral. A prefeita disse também que a meta é ampliar as equipes de saúde de 11 para 61 até o final deste ano.

Segundo a prefeita, as UBSs do Município contará com grupos multidisciplinares de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Quanto às equipes de USAFAS, a prefeita destacou que esse atendimento será um grande ganho principalmente no tocante ao trabalho de prevenção junto às famílias atendidas.

UBSs no Brasil

Ontem, o ministro Padilha afirmou que 75% das unidades básicas de saúde do país estão fora do padrão de qualidade definido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

PSF

Atualmente, segundo Padilha, cada equipe do Programa de Saúde da Família recebe cerca de R$ 7.100. A partir de junho, os prefeitos interessados poderão cadastrar os centros de saúde. A partir de então, técnicos do ministério passarão farão visitas periódicas às unidades, além de pesquisas de satisfação com a população atendida no local.