Santo Amaro celebra 47 anos esperando superar dificuldades

O Hospital Santo Amaro celebrou seus 47 anos de fundação com uma missa em Ação de Graças ministrada pelo padre Tarcísio dos Santos, no Auditório da unidade, no fim da tarde ontem

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201322h45

Mas, a instituição idealizada por Cônego Domênico Rangoni para atender a população dependente da rede pública de saúde passou a enfrentar sérios problemas financeiros e de gestão nos últimos 15 anos.

“O Santo Amaro foi usado nocivamente. Abrigou interesses políticos dos mais diversos. Ao longo desses 15 anos, o Santo Amaro teve seu patrimônio sucateado, tanto no seu aspecto físico como de equipamento. Pouco se investiu na qualificação profissional dos seus funcionários. O Santo Amaro, visto como uma ferramenta política local, passou a não ser visto como deveria por outros níveis de governo, como, por exemplo, o Governo estadual”, afirmou o presidente da Associação Santamarense de Beneficência do Guarujá, Urbano Bahamonde Manso.

Segundo Bahamonde, 85% do atendimento do Hospital é SUS e o déficit mensal chega a atingir R$ 1 milhão. “O SUS paga R$ 10 por uma consulta médica ao Santo Amaro, mas a consulta custa R$ 24 para nós. E isso nos traz um rombo imenso”.

Bahamonde defende uma contrapartida maior dos governos municipal, estadual e federal para o hospital. “Nós voltamos a ter um relacionamento muito positivo com o Governo do Estado. E, está vendo que o Santo Amaro é importante estrategicamente. O Santo Amaro recebe gente de toda a Baixada, de Bertioga, acidentes com traumas da Rio-Santos e da Domenico Rangoni”, disse Bahamonde.

Além do repasse do SUS pelo Governo Federal o HSA também recebe mensalmente R$ 180 mil do programa estadual Pró-Santas Casas. “A contrapartida do hospital é oferecer traumatologia, oncologia, e outros serviços para outras cidades”.

HSA

Inaugurado em 22 de abril de 1962, o HSA foi idealizado por Cônego Domênico Rangoni, que não poupou esforços na edificação, levantando doações para que o hospital, na época com atendimentos de maternidade e pediatria, uma necessidade do Município, se tornasse realidade.

O HSA contava, na época, com 100 leitos, depois foi ampliado e, em 1983, passou a contar com um novo prédio e 400 leitos. Don Domênico também o responsável pela fundação da Sociedade Santamarense de Beneficência do Guarujá, mantenedora do Hospital Santo Amaro.

Após o falecimento de Don Domênico houve dificuldades em manter o único hospital de Guarujá a atender pelo SUS. Para evitar a paralisação do atendimento SUS, a Prefeitura decretou a intervenção municipal, que durou aproximadamente quinze anos, e terminou na administração do então prefeito Farid Madi.