Salários atrasados, greve dos médicos e demora no atendimento esse é o quadro da saúde pública na BS

Usuários do PS Central de Santos ainda se queixam da demora

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201314h55

Em Santos, a auxiliar de limpeza, Sílvia Moreira Leite Meireles, chegou ao Pronto-Socorro Central, no Jabaquara, às 10h30 de quinta-feira queixando-se de dores por conta de uma infecção urinária. “O atendimento aqui é horrível. Estou com muitas dores e só fui atendida agora (17 horas) porque me falaram que não tinha médico.

O secretário Municipal de Saúde, Odílio Rodrigues Filho, esclareceu que os casos de urgência e emergência que dão entrada no PS são atendidos na hora. “Alguém que chega com um politraumatismo, enfarto, baleado, esfaqueado, hipertensão, por exemplo”.

Quanto ao pessoal, Odílio afirmou que atuam no PS Central, 246 profissionais, sendo que 53 deles são médicos. “Em cada plantão trabalham 7 ou 8 médicos”. Entretanto, o secretário ressaltou que as filas devem diminuir na unidade após a entrega da reforma e ampliação. As obras começaram na quarta-feira e devem ser concluídas em oito meses. A unidade será ampliada em 50% e terá elevador para transporte de macas. No 1º andar serão instalados consultórios e emergência; no 2º andar haverá salas de repouso para internação e semi-intensivo; e no 3º andar, laboratório e exames de emergência.

Os consultórios também aumentarão de três para seis, a unidade semi-Intensiva terá 15 leitos (seis a mais). O PS terá ainda banheiro adaptado para deficientes, remodelação das sala de soro, raio X, curativos, emergência, inalação, atendimento odontológico e assistente social. “Com a reforma vai melhorar o atendimento evitando aglomerações e as condições de trabalho dos profissionais da saúde”.

Tabela SUS

Odílio afirmou que o aumento anunciado pelo ministro de Saúde na tabela do SUS ainda não foi publicada no Diário Oficial da União, mas ele acredita que o aumento de 30% no valor dos procedimentos de média e alta complexidade também incidirá no repasse para os municípios. “Claro que se sair o aumento repassaremos para a Santa Casa e a Beneficência que são nossos prestadores de serviço”.

Correção salarial

O secretário de saúde afirmou que assim como outros municípios, Santos também tem dificuldades para contratar médicos, devido aos salários oferecidos. E, por isso, adiantou que a Administração estuda conceder um aumento aos médicos plantonistas, de modo a atrair mão-de-obra para o corpo clínico da rede municipal. Segundo ele, a Prefeitura deve encaminhar o projeto de lei ainda essa semana para a Câmara Municipal.