Psicóloga indica os cuidados e como identificar a ansiedade

Profissional de Santos diz que pandemia criou cenário que propiciou aumento de casos, mas destaca que tratamento existe

Comentar
Compartilhar
24 JUL 2021Por LG Rodrigues07h00
Psicóloga chama atenção para ansiedade como uma patologia grave e que precisa de cuidados especiais do paciente e de conhecidosPsicóloga chama atenção para ansiedade como uma patologia grave e que precisa de cuidados especiais do paciente e de conhecidosFoto: Nair Bueno/DL

Estimativas divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que o Brasil é o país que possui, atualmente, a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade em todo o planeta. Desemprego em alta, pandemia descontrolada e vulnerabilidade social tornaram a maior nação sul-americana em um local propício para graves patologias psicológicas e uma especialista de Santos afirma que há solução, mas os pacientes devem procurar assistência médica especializada.

Estudos anteriores da OMS já apontavam o Brasil como líder de ranking de países mais ansiosos, mas a psicóloga Alessandra Moreno de Oliveira destaca que o coronavírus acabou sendo combustível para o aumento de casos.

"Ocupamos este lugar não é de hoje, mas com o surgimento da pandemia e suas consequências, este estado emocional se tornou mais comum. O medo, a morte, a situação política e econômica, desemprego, privação de lazer e de contato são uns dos fatores importantes que contribuíram para este aumento exponencial", explica.

Apesar de muito falada, a ansiedade ainda não é uma condição totalmente conhecida por todas as pessoas e muitos ainda associam o termo como algo pontual e de curta duração.

"A ansiedade é um estado afetivo que todos nós sentimos desde sempre. Ela é um importante regulador de situações que fazem parte do nosso cotidiano. Precisamos diferenciar a ansiedade saudável da patológica. Digamos que ela é um som de alerta e quando ele não é ouvido, se torna um grito e vem acompanhado de uma série de sintomas corporais. Sentir a ansiedade é lidar com questões de coragem, de liberdade de escolha e de criatividade, por exemplo: quando se está prestes a fazer uma entrevista de emprego, nos deparamos com essas questões e passamos a ouvi-las e se organizar para esta entrevista. Estado de ansiedade saudável. Quando o corpo manifesta sintomas físicos como: taquicardia, dor no peito, falta de ar, sudorese, dores musculares, sentir-se "estranho", entre outros e sem uma motivação consciente, isto é ansiedade patológica. Um estado de antecipação de possível ameaça ao bem-estar", afirma Alessandra.

A psicóloga afirma que cada pessoa descreve a ansiedade de uma forma diferente. Alguns a sentem num momento de agitação e diante da crise paralisam e outros a sentem quando estão relaxados, ficando confusos.

"É assustador quando ocorre. O melhor a fazer nesses momentos é estar junto da pessoa em crise, sem julgamentos ou tentativas de fazê-la entender que 'não é nada', porque para a pessoa 'é'. Então pode-se dizer que entende o que está sentindo e que ficará ali, também pode fazer exercícios de respiração e perguntar o que o corpo está sentindo. Aos poucos com uma respiração profunda e o acolhimento, pode-se começar a voltar para seu estado normal. Descrever o que sente é muito importante".

"Qualquer pessoa está propensa a se tornar ansiosa. Atualmente tem crescido muito o número de crianças e adolescentes com sintomas e comportamentos ansiosos e durante a pandemia, isto ficou ainda mais comum.

Outras doenças que acompanham a ansiedade estão a depressão, a síndrome do pânico e o medo patológico, caracterizado como aquele paralisa o paciente. A compreensão dos especialistas é de que essas patologias caminham juntas, dependendo do caso.

"O tratamento pode ser medicamentoso, numa fase mais avançada e com um parecer médico. É preciso muito cuidado ao tomar esta decisão e uma vez que a pessoa sinta que as crises se intensificam, com menor espaço de tempo e afetando outras áreas da vida, fazer uso de medicação é um caminho seguro e consciente. Atualmente existem remédios modernos e com ótimos resultados, estabilizando e propiciando um melhor equilíbrio e consciência. Porém a psicoterapia é fundamental nesse processo. Parece que hoje as pessoas não se permitem sentir e preferem não gostar de chorar ou conversar com alguém. Na medida em que o espaço terapêutico possibilita entrar em contato com as emoções, falar e se ouvir, começar a dialogar consigo mesmo, validar o que sente e olhar com cuidado para si, a ansiedade se torna momento presente e consciente", conclui Alessandra.