PS Central de Praia Grande realiza mais de 6 mil atendimentos

Unidade que faz parte do Complexo de Saúde Irmã Dulce realizou 6 mil atendimentos entre o Natal e o Ano Novo.

Comentar
Compartilhar
08 JAN 201305h45

O Pronto-Socorro Central, que integra ao lado do Hospital Municipal o Complexo de Saúde Irmã Dulce, realizou 6.829 atendimentos entre 24 de dezembro de 2012 e 2 de janeiro de 2013. A unidade é gerenciada pela Fundação do ABC (FUABC) desde final de março de 2011.

Para atender a demanda de moradores e turistas, a unidade - que funciona 24 horas - trabalhou com escalas completas das equipes técnicas. Durante o período de festas, a maior parte dos casos atendidos foi de Clínica Médica (3.499), seguida de Traumato-ortopedia (1.679). O setor de emergência registrou 481atendimentos realizados.

De acordo com dados da FUABC, nesta semana entre Natal e Ano Novo, o PS Central atendeu 72% do que era a movimentação mensal logo que a gestão passou a ser da instituição. O diretor de Enfermagem, Adilson Teixeira, ressaltou que os serviços prestados seguem em constante evolução.

A unidade é gerenciada pela Fundação do ABC (FUABC) desde final de março de 2011. (Foto: Divulgação)

“Até março, quando completará dois anos de gestão da FUABC, o PS Central contará com uma nova sala de emergência, mais ampla e totalmente remodelada. A remodelação do setor não apenas permitirá melhor atendimento médico às urgências e emergências como representará um significativo avanço na própria logística”, disse.

Alterações - Rapidez no atendimento, organização dos fluxos e novos serviços marcaram as primeiras mudanças no Pronto-Socorro Central desde que a FUABC assumiu sua gestão. Ligada à Faculdade de Medicina do ABC, a FUABC gerencia o Hospital Municipal Irmã Dulce desde 2008 e no ano passado assumiu a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Doutor Charles Antunes Bechara, no Bairro Samambaia.

Por ser complexa, a obra de reestruturação do PS Central foi dividida em etapas. A fase inicial compreendeu nova recepção e área de espera, com Ouvidoria e espaço lúdico para crianças; climatização do ambiente, com cortina de ar na porta de entrada; reparos elétricos e hidráulicos; pintura e manutenção.

Classificação de risco - Para priorizar os casos mais graves que chegam pela recepção, a unidade passou a atender pelo sistema de Acolhimento com Classificação de Risco.

Após escuta e checagem dos sinais vitais, a enfermagem sinaliza aos médicos, por meio de cores, o grau de gravidade dos pacientes: vermelho para emergências (que necessitam de atendimento imediato); amarelo para urgências (o mais rápido possível); verde para consultas não urgentes (podem aguardar um tempo maior); azul para consultas de baixa complexidade (serão atendidos após os anteriores). Casos mais graves, em que há risco de complicações e morte, são atendidos primeiro.

O atendimento aos pacientes que chegam à sala de emergência pelo SAMU é imediato. Os demais casos, como os ambulatoriais, precisam aguardar.