Pesquisadores da Unifesp estão próximos da cura do HIV

Estudo mostra que a universidade criou um tratamento que eliminou o vírus da Aids de um paciente por mais de um ano

Comentar
Compartilhar
07 JUL 2020Por Da Reportagem16h15
Ricardo Sobhie Diaz, diretor do Laboratório de Retrovirologia do Departamento de Medicina da instituiçãoFoto: Sergio Dazzi/Unifesp

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) conseguiram eliminar o vírus do HIV de um paciente brasileiro de 34 anos. Eles realizaram um estudo em escala global e iriam apresentar nesta terça-feira (7), na Conferência Internacional de Aids.

Segundo a universidade, os estudos representam mais um avanço no combate à doença. A pesquisa é coordenada pelo infectologista Ricardo Sobhie Diaz, diretor do Laboratório de Retrovirologia do Departamento de Medicina da instituição.

Inicialmente o estudo contou com 30 voluntários que apresentavam a carga viral do HIV e realizavam o tratamento com antirretrovirais. Os pesquisadores distribuíram os voluntários em grupos, e o melhor resultado recebeu dois medicamentos a mais, o dolutegravir e o maraviroc, que "forçam" o vírus a aparecer, fazendo com que ele saia do organismo.

A pesquisa aconteceu durante um ano, e o vírus, continua sem aparecer – mesmo após 14 meses. "Esse caso é extremamente interessante, e eu realmente espero que possa impulsionar mais pesquisas sobre a cura do HIV", afirmou Andrea Savarino, médica do Instituto de Saúde da Itália que co-liderou o estudo.

No entanto, a médica revelou que outros quatro pacientes do grupo não eliminaram o vírus. "Pode ser que o resultado não seja passível de reprodução. Este é um primeiro estudo, que precisará ser ampliado", destacou Andrea.

Conferência internacional

Organizada pela Sociedade Internacional de Aids (International Aids Society), a Conferência Internacional de Aids é realizada a cada dois anos e é apoiada pelo Programa Conjuntos das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unais). Com a pandemia da Covid-19, o evento que aconteceria nos Estados Unidos, será realizado remotamente.

Entretanto, o coronavírus também afetou a distribuição de remédios para pacientes com Aids. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 73 países correm o risco de ficar sem antirretrovirais. Outros 24 estão com baixo estoque de medicamentos.