Olhos também podem ser alvos de câncer

Dia Nacional de Combate ao Câncer, comemorado no próximo dia 27, alerta para que as pessoas procurem um oftalmologista regularmente

Comentar
Compartilhar
22 NOV 201318h34

Quando se fala na saúde dos olhos, é comum que as pessoas conheçam algumas doenças que acometem o órgão, como miopia, astigmatismo, catarata, glaucoma, entre outras. Mas o que muita gente não sabe é que o olho também pode ser acometido por câncer.

O Dia Nacional de Combate ao Câncer, comemorado no próximo dia 27, é um alerta para que a população passe por consultas regulares e assim, caso um tumor maligno seja diagnosticado precocemente, o paciente tenha mais chances de cura.

De acordo com o oftalmologista da Clínica Unilaser, em Santos, e professor de Residência Médica em Oftalmologia do Hospital Ana Costa, Dr. Fabiano Bojikian Ciola,  o tumor maligno mais comum entre os adultos é o melanoma de coróide, cuja incidência geral é de 5 a 7,5 para cada 1 milhão de pessoas por ano em países do ocidente.

"A coróide é uma camada pigmentada e vascularizada, situada no fundo do olho entre a esclera e a retina. Por normalmente não apresentar sintomas, o diagnóstico costuma ser feito em exames de fundo de olho, nas consultas de rotina. Quando há sinais da doença, o paciente apresenta queda de visão, presença de pontos luminosos ou perda de campo visual", alerta o especialista.

O tratamento varia de acordo com o tamanho do tumor e outros fatores, como idade do paciente, saúde no geral, localização da lesão e visão do olho afetado. "Em pequenas e médias lesões, a opção mais utilizada é a braquiterapia ocular (radiação direta no tumor) de forma isolada ou em conjunto com a laserterapia. A enucleação, que é a retirada do globo ocular, é restrita aos casos mais graves quando há invasão do nervo óptico e perda irreversível da visão útil", observa Ciola.

Este tipo de câncer é considerado invasivo, já que apresenta grandes chances de produzir metástase e levar à morte. Sua causa ainda é desconhecida, mas existem evidências de que pessoas de etnia branca, idade avançada e quantidade de nevos (pintas, manchas) na coroide estão mais propensas a desenvolver esse tipo de tumor.

O que muita gente não sabe é que o olho também pode ser acometido por câncer (Foto: Divulgação)

Retinoblastoma

Outro tipo de câncer ocular é o retinoblastoma, o mais comum na infância. Mesmo assim é raro, com incidência de 1 para 17 mil nascidos vivos. Seu surgimento se dá a partir das células da retina (membrana sensível à luz) e pode aparecer de duas formas: hereditária (cerca de 40% dos casos) e não hereditária (60%).

Por ser um tumor que costuma se manifestar em crianças com até 3 anos, é extremamente importante que os pais fiquem atentos a qualquer sinal. O aparecimento de um reflexo branco nos olhos da criança, que podem ser observados em fotografias com flash, é a forma de apresentação mais comum (60%). Outro sinal que serve como alerta é o estrabismo, já que em 20% dos casos aparece como indicador de retinoblastoma.

"A suspeita diagnóstica pode ser feita já no consultório do pediatra pelo Teste do Olhinho, ou Teste do Reflexo Vermelho, para saber se a retina se encontra saudável. Porém, apenas o mapeamento de retina possibilita a confirmação do tumor", observa o oftalmologista da Clínica Unilaser, Fabiano Ciola.

Assim como outros tipos de câncer, o tratamento dependerá do tamanho da lesão, podendo ser feito com laser, quimioterapia, radioterapia ou nos casos mais graves, a remoção do globo ocular, com possibilidade de implante de prótese.

Neoplasias palpebrais

As pálpebras também não estão livres do câncer. Cerca de 10% dos casos de carcinoma basocelular (tipo de câncer de pele) acometem essa região dos olhos. Os fatores de risco para o aparecimento da doença são: pele clara, inabilidade para se bronzear e exposição excessiva à luz solar.

O tumor surge mais frequentemente na pálpebra inferior. Apesar de apresentar crescimento invasivo local, raramente causa metástase. Há outros cânceres que afetam as pálpebras como o carcinoma de células escamosas, carcinoma de células sebáceas, ceratoacantoma, sarcoma e melanoma.

As suspeitas diagnósticas são feitas em consultório, por meio de uma biomicroscopia, onde se observa o aspeto da lesão. A finalização do diagnóstico só é feito após uma biópsia. Nestes casos, o tratamento mais eficaz é a remoção cirúrgica, que pode ser seguida de reconstrução plástica da pálpebra afetada. Quimioterapia e radioterapia raramente são necessárias.