X
Saúde

Ocupação de leitos de UTI de Covid-19 só aumenta na Baixada Santista

Região ainda não teve um único dia de diminuição de leitos ocupados durante todo o ano de 2022 segundo Seade

Neste momento, um a cada três leitos da Baixada Santista já se encontra ocupado com pacientes / Divulgação

Os nove municípios da Baixada Santista não passaram um dia de 2022 sem que a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Pronto Atendimento (UTI) subisse. Desde o dia 31 de dezembro do ano passado, para cá, a estatística subiu de 29,01% para 39,57%, e foi um dos 'combustíveis' que também fez disparar a taxa de ocupação em todo o Estado de São Paulo.

Os dados são todos divulgados diariamente pela Seade, fundação vinculada à Secretaria de Governo, e que hoje é um centro de referência nacional na produção e disseminação de análises e estatísticas socioeconômicas e demográficas.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Para se ter uma ideia de como o problema vem se agravando, a taxa de ocupação de leitos de UTI na Baixada no último dia de 2021 estava fixada em 29,01%, o que representa pouco mais de 1 leito ocupado a cada quatro existentes no sistema de saúde de toda a Região composta por Santos, São Vicente, Praia Grande, Guarujá, Bertioga, Cubatão, Itanhaém, Peruíbe e Mongaguá. Neste mesmo dia, a Grande São Paulo tinha 30,56% de ocupação e o Estado inteiro contava com 23,72%.

No primeiro dia de 2022, a Baixada teve aumento de 0,48%, indo a 29,49%. Esses números foram a 29,94% no dia 2, para 30,79% no dia seguinte e chegou a 30,97% no dia 4 de janeiro. Sem sinal de que iria 'frear', os leitos de UTI ocupados na Região chegaram a 31,01% no dia 5 e essa estatística saltou 1,03% em apenas 24 horas, indo para 32,04%.

Em 7 de janeiro, último dia útil da primeira semana de 2022, a Baixada Santista contava com exatos 33% de ocupação, o que significa que 1 a cada 3 leitos de UTI já estavam ocupados por alguém que estava doente e precisando de cuidado médico intensivo.

No dia seguinte, a taxa de ocupação foi a 33,99% e o número subiu para 34,52% em seguida. Na última segunda-feira (10), 35,05% dos leitos de UTI estavam ocupados e na terça chegou (11) a 36,43%. Já quarta-feira (12) terminou com 37,21%, que subiu para 38,44% na quinta (13) e culminou com 39,57% de leitos ocupados ontem (14).

Esse crescimento vertiginoso de leitos ocupados na Baixada Santista também acompanhou e, sem dúvidas, potencializou, a mesma estatística observada em São Paulo. Enquanto a Baixada tinha, no último dia 31, 29,01% de leitos ocupados, o Estado estava com 23,72%. Já ontem, quando as nove cidades do litoral beiraram a marca de 40%, todo o Estado de São Paulo foi a 42,78%.

MOTIVO.

Na última quinta-feira (13), o ministro da saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que as pessoas que não se vacinaram contra Covid-19 são as mesmas responsáveis pelas interações. A declaração foi dada durante a cerimônia de recebimento da primeira remessa de doses pediátricas da Pfizer.

As autoridades sanitárias têm esperança que o avanço da imunização de crianças seja mais uma ferramenta para frear as internações de Covid-19. Nesta sexta-feira, após 24 horas do Governador João Doria anunciar a abertura do pré-cadastro de vacinação para crianças de 5 a 11 anos em São Paulo, a plataforma Vacina Já registrou a marca de mais de 230 mil crianças cadastradas, com a média de 160 registros por minuto.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Sindicato abre mais de 100 vagas em cursos gratuitos; confira

As aulas acontecem na sede do SINHORES, em Santos, com início previsto para 15 de fevereiro

Guarujá

Praça das Bandeiras recebe Feira de Adoção de Animais

Atração acontece nesta sexta-feira (28) e sábado (29), das 12 às 17 horas

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software