Número de obesos supera o de pessoas com fome no mundo

Médico especialista no tratamento da obesidade faz cobrança por política pública de controle do alimento industrializado no Brasil. O cirurgião Cid Pitombo defende que Governo dê subsídios para produtores de alimentos saudáveis

Comentar
Compartilhar
19 AGO 2019Por Da Reportagem11h45
O número de brasileiros mortos por complicações diretamente relacionadas à obesidade triplicou em um período de dez anosFoto: Divulgação

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) divulgou recentemente os dados do relatório anual sobre o Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo. E pela primeira vez o número de obesos (830 milhões) superou o de famintos (820 milhões). De acordo com a agência da ONU, há relação direta entre insegurança alimentar e obesidade e o vilão dessa equação é o alimento ultraprocessado. Confirmando a tendência mundial, no Brasil, dados do Ministério da Saúde apontam para crescimento de 67% no número de obesos entre 2006 e 2018, maior índice em 13 anos.

"Vivemos novamente um grande dilema. A população aumenta e não se consegue produzir alimentos de "forma natural" que abasteça e alimente a todos, aí sugere-se que precisamos dos alimentos industrializados. Por outro lado, esses alimentos são os grandes responsáveis pelo aumento da ingestão de sal, gorduras e açúcares que consequentemente levam à obesidade e suas doenças associadas. A maior parte da população mundial e do Brasil é de pessoas de baixa renda, que são o principal mercado consumidor dos alimentos ultraprocessados, por serem mais baratos e na maior parte das vezes não perecíveis. Na tentativa do equilíbrio orçamentário dessas famílias, com certeza essa é a "alimentação" de escolha", destaca o médico Cid Pitombo, especialista no tratamento da obesidade e coordenador do Programa de Cirurgia Bariátrica do Estado do Rio de Janeiro.

O fato é que uma em cada cinco pessoas está obesa no Brasil e mais da metade da população está com excesso de peso, tornando a obesidade uma epidemia e um problema real de saúde pública. Pitombo alerta para a necessidade de políticas públicas de controle do alimento industrializado, como já fazem alguns países com importantes resultados.

"O Governo deve atuar na garantia do bom hábito alimentar em escolas, na orientação às famílias sobre correto uso de alimentos e no controle do acesso ao alimento industrializado, que claramente, por ser mais barato, de baixo valor nutricional e alto valor calórico, leva a um sério problema de saúde pública que é a obesidade. O Estado precisa intervir neste lado. Prevenção com hábito saudável de alimentação, mais acesso a possibilidades de atividade física na boa orientação às famílias", destaca Cid Pitombo.
Biscoitos, refrigerantes e macarrões instantâneos, apesar de serem barato, não ajudam a nutrir e tem alto valor calórico. O especialista defende que essa luta precisa ser travada pelo Estado brasileiro, a fim de melhorar a condição de acesso aos alimentos saudáveis, em preço, até com subsídios, para que a família possa ofertar às crianças opções melhores.

Colunas

Contraponto