SEDUC

Número de mortes por dengue cresce 163% em um ano

Os dados constam no boletim mais recente do Ministério da Saúde

Comentar
Compartilhar
26 JUN 2019Por Folhapress10h35
Os estados com maior incidência da doença por 100 mil habitantes foram Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul,Foto: Divulgação

O número de mortes causadas por dengue mais do que dobrou em um ano no país: saltou de 139 no primeiro semestre de 2018 para 366 no mesmo período deste ano, um aumento de 163%. 

Os dados constam no boletim mais recente do Ministério da Saúde sobre doenças transmitidas pelo Aedes aegypti , que inclui casos registrados até 8 de junho. 

É o maior número de mortes desde 2015, quando a dengue matou 752 pessoas. 

O estado de São Paulo lidera o ranking de óbitos, com 145 registros. É seguido por Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal, com 79, 29 e 24 casos, respectivamente. 

A quantidade de casos prováveis de dengue (que inclui também os suspeitos) aumentou ainda mais no período: saltou de 170.628 para 1.127.244, um aumento de 561%.

Os estados com maior incidência da doença por 100 mil habitantes foram Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul, com 1.804, 1.230 e 1.164 casos. O pico deste ano foi em abril. 

A circulação de um sorotipo diferente do vírus da dengue, mudanças climáticas e a urbanização sem planejamento ajudam a explicar o crescimento, segundo infectologistas consultados pela Folha. 

Neste ano, predomina o sorotipo 2 da dengue no país, segundo o Ministério da Saúde. É mais agressivo do que o sorotipo 1 e o 4, que circulavam com mais intensidade –o vírus tem ainda um quarto subtipo, o 3. 

Frequente em análises no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, o tipo 2 circulou com maior força pela última vez em 2008 no país. 

Como muitas pessoas não foram infectadas pelo sorotipo 2 e, por isso, não foram imunizadas, ficam mais suscetíveis à contaminação, explica Marcelo Burattini, professor do departamento de Infectologia da Unifesp.

O infectologista acredita que, por causa dessa mudança no sorotipo, o cenário no ano que vem pode ser pior, já que haverá mais mosquitos portando o tipo 2. 

A dinâmica dos sorotipos faz a dengue ser uma doença cíclica, com alternância de epidemias, como mostram dados de anos anteriores. 

As temperaturas elevadas e o alto volume de chuvas registrados neste ano também podem ter contribuído para o crescimento nos números. No estado de São Paulo, por exemplo, o verão deste ano foi o quinto mais quente da história, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). 

Historicamente, a incidência de dengue costuma aumentar no verão e diminuir a partir de abril. "A peculiaridade deste ano foi que os casos começaram a aumentar antes do esperado", diz Melissa Falcão, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia. "E o término da epidemia também será mais tardio." 

A dengue é transmitida pelo Aedes aegypti, que se prolifera em água parada. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, dores musculares e nos olhos, mal estar, perda de apetite e dor de cabeça. 

Usar repelente, especialmente no início da manhã e no fim da tarde, e eliminar possíveis criadouros, como vasos de plantas, pneus e garrafas plásticas, são formas de prevenir a doença. 

O Ministério da Saúde afirmou, em nota, que realiza ações de prevenção e combate ao mosquito transmissor da doença em conjunto com estados e municípios. E que cabe às autoridades locais executar as ações, que incluem visitas de agentes para eliminar criadouros. 

A pasta também diz que oferece apoio técnico e insumos para combater o inseto. O investimento em ações de vigilância em saúde, incluindo de combate ao Aedes aegypti, foi de R$ 1,9 bilhão em 2018, segundo o governo. 

Em meio ao aumento de casos, o ministério anunciou em abril a ampliação dos testes com mosquitos Aedes aegypti contaminados pela bactéria Wolbachia. Ela é capaz de reduzir a capacidade do inseto de transmitir o vírus da zika, chikungunya e febre amarela.

Após os testes, o método deve ser incorporado ao SUS. De acordo com a pasta, o método é seguro para as pessoas e para o ambiente, pois a Wolbachia vive apenas dentro das células dos insetos. Foram investidos R$ 22 milhões na iniciativa. 

Número de mortes por dengue cresce 163% em um ano

2019: 366
2018: 139
2017: 107
2016: 318*
2015: 752

*O número é referente ao boletim do ano de 2016, não ao de 2017, que traz o número atualizado mas não está disponível no portal do Ministério da Saúde

Estados com mais óbitos

São Paulo: 145
Minas Gerais: 79
Goiás: 29
Distrito Federal: 24 
Mato Grosso do Sul: 23