Na medida certa, chocolate faz bem ao corpo e à mente

No Dia Mundial do Chocolate, 7 de julho, embora a data não tenha grande tradição no Brasil, é oportuno lembrar benefícios do consumo correto do produto.

Comentar
Compartilhar
07 JUL 2019Por Da Reportagem09h32
Foto: Reprodução/Fotos Públicas/Internet

A nutricionista Regina Helena Pereira, membro do Departamento de Nutrição da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo), explica que a ingestão de chocolate relaciona-se à produção de serotonina e feniletilamina, neurotransmissores ligados ao ânimo e à disposição. "Porém, para desfrutar seus efeitos positivos, é preciso consumi-lo com moderação e bom senso, bem como manter bons hábitos de alimentação e vida saudável".

O chocolate é uma boa fonte de energia e tem alto nível calórico. Cada 100 gramas podem conter de 350 a 500 calorias, além de alta concentração de açúcar. Muitas marcas ainda agregam a "gordura trans", pois esta é mais barata do que a manteiga de cacau, mas muito mais perigosa para a saúde.

Os portadores de diabetes, seja do tipo 1 ou do tipo 2, devem consumir chocolate com bastante moderação e preferir versões sem adição de açúcar ou diet, para evitar um pico de elevação de glicemia. Indivíduos com alergia a algum componente devem evitá-lo, buscando alternativas para substituí-lo.

Dicas para o consumo saudável

A nutricionista da Socesp salienta que o chocolate deve ser consumido com moderação, apontando os prós e os contras do produto:

Benefícios:

O chocolate amargo tem efeitos benéficos ao coração. Estudos mostram sua associação com redução de pressão arterial;

Também em sua versão amarga, o chocolate pode melhorar o fluxo arterial;

Rico em antioxidantes, o cacau protege o coração do envelhecimento causado por radicais livres;

Alguns estudos indicam menor risco de arritmias cardíacas, como fibrilação atrial, em pessoas que consomem chocolate de maneira esporádica.

Malefícios do consumo inadequado:

Ganho de peso, quando ingerido em excesso ou de maneira compulsiva, já que é rico em açúcar e gorduras;

Em algumas pessoas mais sensíveis a alguns de seus ingredientes, pode gerar alergias, manifestadas em coceiras, irritação ou falta de sono;

Diabéticos podem consumir com moderação versões sem açúcar. O ideal é pedir orientação ao médico e/ou ao nutricionista.

Sobre a SOCESP

A Socesp - Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 1976. Regional da Sociedade Brasileira de Cardiologia e Departamento de Cardiologia da Associação Paulista de Medicina, conta com cerca de 8 mil sócios. Os principais objetivos da Socesp são contribuir para a atualização dos cardiologistas do estado e difundir o conhecimento científico gerado pela própria Socesp aos profissionais da saúde que atuam na Cardiologia e para a população.

Colunas

Contraponto