Moradores de cidades mais poluídas têm risco de desenvolver a Síndrome do Olho Seco

Estudo sugere que a poluição ambiental deve ser considerada como parte da gestão global da síndrome do olho seco

Comentar
Compartilhar
12 JAN 201412h20

Moradores de grandes cidades com altos níveis de poluição do ar têm um risco aumentado de desenvolver a Síndrome do Olho Seco. Os resultados são de um estudo – Environmental Factors and Dry Eye Syndrome: A Study Utilizing the National U.S. Veterans Affairs Administrative Database – apresentado durante o congresso anual da Academia Americana de Oftalmologia, em Nova Orleans, EUA, em novembro desse ano.

Os participantes da pesquisa – moradores de Nova York, Chicago, Los Angeles e Miami – apresentaram entre três a quatro vezes mais probabilidade de serem diagnosticados com a Síndrome do Olho Seco em comparação com moradores de outras áreas urbanas, onde a poluição do ar é relativamente menor. Como resultado, os pesquisadores sugerem que as influências ambientais devam ser consideradas como parte do controle geral e do tratamento de doentes com a síndrome.“A Síndrome do Olho Seco, uma deficiência na produção de lágrimas, é uma condição prevalente tanto nos Estados Unidos, quanto no Brasil, cujas manifestações afetam

negativamente o funcionamento físico e mental do indivíduo. Os sintomas da Síndrome do Olho Seco podem ser muito prejudiciais para os pacientes, afetando gravemente a qualidade de vida da pessoa, resultando em perda de produtividade devido à interrupção das atividades diárias, como a leitura e o uso de telas de computador”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

Embora já se tenha sugerido antes que fatores ambientais poderiam impactar a Síndrome do Olho Seco, este é o primeiro estudo realizado com uma grande população de pacientes que cobre todo o território continental dos Estados Unidos, que relaciona efetivamente a localização do paciente tratado para olho seco com as condições atmosféricas: em especial, a poluição do ar, juntamente com as condições meteorológicas.

Moradores de cidades mais poluídas têm risco de desenvolver a Síndrome do Olho Seco (Foto: Divulgação)

Cruzando informações dos bancos de dados dos veteranos e da NASA, os pesquisadores examinaram os registros de saúde de 606.708 pacientes que receberam tratamento para a Síndrome do Olho Seco em uma das clínicas especializadas para veteranos entre julho de 2006 e julho de 2011.

Aqueles que viviam em áreas com altos níveis de poluição do ar apresentaram um risco aumentado para a Síndrome do Olho Seco e uma taxa de incidência da doença 1,4% maior. A maioria das áreas metropolitanas – incluindo Nova York, Chicago, Los Angeles e Miami – mostrou alta prevalência da Síndrome do Olho Seco (17 a 21%) e altos níveis de poluição do ar.

Além disso, o risco de Síndrome do Olho Seco também apresentou-se 13% maior em áreas de grande altitude. Locais onde havia maior umidade e maior velocidade do vento foram inversamente associados com o risco da Síndrome do Olho Seco, após o controle da poluição do ar e de outras condições climáticas.

“Os resultados da pesquisa sugerem que os oftalmologistas precisam estar cientes da associação entre as condições ambientais e a Síndrome do Olho Seco, registrando a história ambiental na avaliação de pacientes com a doença”, diz a oftalmologista Sandra Alice Falvo (CRM-SP 59.156), que também integra o corpo clínico do IMO.

Pessoas que vivem em cidades poluídas áridas e prontamente atestam que a poluição do ar tem um efeito irritante sobre o olho seco. A pesquisa sugere que ações simples, como manter a umidade adequada dentro de casa e usar um filtro de ar de alta qualidade devem ser consideradas como parte da gestão global dos pacientes que sofrem com a Síndrome do Olho Seco.

“Os sintomas do olho seco podem variar de ardência ou queimação ao lacrimejamento excessivo e extremo desconforto com o uso de lentes de contato. Como o olho responde com irritação à esta condição, o olho, muitas vezes, ele se resseca excessivamente para tentar combater a perda de umidade. Muitas pessoas com a Síndrome do Olho Seco podem achar que assistir televisão, ler e trabalhar por longos períodos no computador pode ser muito desconfortável. Para alívio da síndrome, o mais recomendável é buscar aconselhamento com um oftalmologista para determinar o melhor curso do tratamento para cada paciente”, recomenda Sandra Falvo.