'Médicos que recusavam entregar 'kit Covid' eram demitidos pela Prevent', diz advogada

A advogada ainda afirmou que os kits vinham lacrado e mesmo a receita já estava pronta

Comentar
Compartilhar
28 SET 2021Por Folhapress15h00
ANS informou, por meio de nota, que realizou diligências na sede da Prevent SeniorANS informou, por meio de nota, que realizou diligências na sede da Prevent SeniorFoto: Divulgação

A advogada Bruna Morato, que representa médicos da Prevent Senior, confirmou em depoimento à CPI da Covid que os profissionais eram obrigados a prescrever o chamado Kit Covid, com medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid.

A advogada ainda afirmou que os kits vinham lacrado e mesmo a receita já estava pronta.

Bruna Morato afirma que o lema da Prevent Senior, lealdade e obediência, é incompatível com a autonomia médica.

"O kit vinha lacrado, com instrução de uso, eu não tenho como falar para meu cliente que está exercendo a função de forma autônoma", afirma.

Ela relata que os kits tinham oito medicamentos. Os médicos então entregavam para os pacientes e passaram a alertar que eram obrigados a entregá-los, mas orientava a tomar apenas alguns dos itens.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp: https://bit.ly/diariodolitoral
Mantenha-se bem informado.

ATAQUES E MANIPULAÇÃO

A advogada Bruna Morato, que representa médicos que fizeram denúncias contra a Prevent Senior, afirmou que os principais fatos que levaram ela e seus clientes a exporem as denúncias na comissão foram a falta de autonomia médica, ocultação e manipulação de dados e a falta de transparência em relação ao quatro dos pacientes.

Bruna Morato afirmou que ainda vai proteger o sigilo de seus clientes enquanto eles precisarem. Ela afirmou que os fatos que foram levados até ela a deixaram "aterrorizada" e que são passíveis de investigação.

A advogada completa que o dossiê apresentada pelos médicos é um compilado de informações que constam em mais de 10 mil páginas de documentos.