Médico alerta para aumento perigoso da obesidade

Especialista diz que parte da população está entrando em estatística perigosa e estudos já apontam crescimento na taxa nacional

Comentar
Compartilhar
11 OUT 2020Por LG Rodrigues11h24
Médico reafirma que uma parte da população que não registrava problemas com peso na família está entrando na estatística.Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

Celebrado neste domingo (11), o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade foi criado com o objetivo de conscientizar a população dos riscos da doença e estimular hábitos saudáveis. Com o aumento gradativo do peso do povo brasileiro, um médico especialista de Santos reafirma que uma parte da população que não registrava casos de problemas com peso na família está entrando na estatística ano após um ano.

Além dele, outros profissionais da área da saúde reafirmam grande preocupação com o aumento da obesidade, que vem chamando a atenção dentro e fora do País. No Brasil, de acordo com a última Pesquisa Vigitel, divulgada em julho de 2019 pelo Ministério da Saúde, a taxa de obesidade no país passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018.

Estes números colocam o Brasil entre os países mais obesos do mundo. É o 3º entre os homens e o 5º entre as mulheres. A projeção da Organização Mundial da Saúde é de que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de indivíduos estejam com excesso de peso, sendo mais de 700 milhões com obesidade.

Para o médico santista Joaquim Neto, especialista em cirurgia bariátrica, combater e prevenir são ações urgentes diante de um problema que vem adquirindo essas proporções epidêmicas.

"A obesidade vem aumentando ano a ano e uma parcela de brasileiros que não tinham obesidade, tem se tornando obesa. A combinação de falta de atividade física e má alimentação está formando essa geração obesa", afirma o especialista.

Em nosso corpo, a obesidade se desenvolve sempre que a quantidade de energia ingerida (em forma de alimento) supera a quantidade de energia gasta nas atividades diárias. Este excedente de energia que acaba não sendo utilizada armazena-se no corpo sob a forma de gordura.

"Esse excesso de gordura no corpo pode desencadear ou agravar muitas doenças, como diabetes tipo 2 e também doenças cardiovasculares, como, por exemplo, hipertensão, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca congestiva e embolia pulmonar, além de apneia do sono, problemas no fígado, de circulação e alguns tipos de cânceres", alerta o especialista.

Ainda segundo o santista, a prevenção contra a obesidade passa pela conscientização da importância da atividade física e da alimentação adequada. O estilo de vida sedentário, as refeições com poucos vegetais e frutas, além do excesso de alimentos ricos em gordura e açúcar precipitam o aumento do número de pessoas obesas, em todas as faixas etárias.

"Controlar o próprio peso é algo importante porque faz, sim, ter uma vida mais saudável", finaliza Joaquim.

DEFINIÇÃO

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. Dentre os fatores que causam a obesidade estão os nutricionais, fisiológicos, genéticos, psiquiátricos e psicológicos, comportamentais e ambientais. Para um indivíduo ser considerado obeso, seu índice de massa corporal (IMC) tem que estar acima de 30 kg/m², mas um IMC superior a 25 kg/m² já é considerado excesso de peso. O cálculo é realizado dividindo o peso do indivíduo pela sua altura elevada ao quadrado.