X
Saúde

Janeiro Branco: a importância de cuidar da saúde mental na gestação e puerpério

Com a pandemia de covid-19, um estudo com mulheres com partos recentes constatou que 38,8% das participantes tiveram depressão pós-parto

Uma em cada quatro mulheres sofrem de depressão no período pós-parto. / Divulgação/Prefeitura de São Vicente

Recentemente, com a pandemia de covid-19, o Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) realizou um estudo com mulheres com partos recentes e constatou que 38,8% das participantes tiveram depressão pós-parto. Outro dado, de uma pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz e publicada pela conceituada revista científica Journal of Affective Disorders (JAD) em 2016, concluiu que no Brasil, uma em cada quatro mulheres sofrem de depressão no período pós-parto.

São dados alarmantes, de uma condição que pode iniciar já nos primeiros meses da gravidez, devido ao aumento da vulnerabilidade aos transtornos mentais ao longo da gestação e puerpério, principalmente com sintomas ansiosos e depressivos. “Fatores como história psiquiátrica prévia, alterações hormonais e da autoimagem, insegurança e preocupação com a saúde do filho, dificuldade com a maternidade e amamentação contribuem para o aparecimento dos sintomas”, explica a psiquiatra do Complexo Hospitalar Santa Genoveva, Carolina Melo.

De acordo com a médica, a preparação da saúde psicológica da mãe muitas vezes é negligenciada e deveria ser iniciada quando possível no período pré-concepção e perdurar durante toda a gestação e puerpério.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A gravidez traz uma mistura de sentimentos, e nem todos são bons. A Dra. Carolina conta que o primeiro mês pós-parto é um período de desafios para a mãe de forma que 85% das mulheres experimentam alguma alteração leve do humor. “Chamado de disforia ou blues puerperal, esses sintomas não causam prejuízo na funcionalidade e se iniciam normalmente nos primeiros dias pós-parto com pico no quinto dia e remissão até duas semanas, não sendo necessário nenhum tratamento específico”. Sentimentos como fadiga, letargia, oscilações do humor, apetite, sono, diminuição do desejo sexual e irritabilidade são comuns nesse período.

Mas se a mulher se sente nervosa ou deprimida o tempo todo, pode ser um sinal de que algo mais profundo está acontecendo. “Entre 10 e 15% das puérperas a tristeza persiste e se agrava evoluindo para um quadro depressivo. Os sintomas de gravidade para que se procure avaliação médica são a persistência dos sintomas após duas semanas, perda de interesse e alegria, sentimento de culpa ou medo excessivo, desesperança, dificuldade em se criar vínculo afetivo mãe e bebê e pensamentos de auto-extermínio”, diz a Dra. Carolina.

Os sintomas iniciam geralmente até seis semanas após o parto e causam sensação de inadequação para a mãe pela assincronia da felicidade esperada por ela e seus familiares em relação ao bebê. “Daí o fato de várias mulheres esconderem como se sentem e não procurarem ajuda especializada. Mas, em casos específicos, podem ser usadas medicações seguras na na gestação ou amamentação, além do suporte psicoterápico”, esclarece a médica.

Para atravessar este período de tantas emoções, a Dra. Carolina traz algumas dicas para as grávidas e recém-mães:

·   Sempre que possível conte com o suporte social e familiar na ajuda com o recém-nascido ou outros filhos;

·   Procure grupos de mães, tanto on-line como presenciais para a criação de vínculo e troca de experiências;

·   Mantenha uma rotina de prática de exercícios, mesmo que seja uma boa caminhada com o bebê, alinhada a uma alimentação saudável;

·   Descanse sempre que possível;

·   Não hesite em buscar ajuda médica e psicoterápica quando sentir necessidade. A médica reforça que a saúde mental materna deve ser cada vez mais discutida e exposta para melhora do estigma ainda existente, contribuindo assim para que mais mulheres se sintam confortáveis em solicitar ajuda.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Guarujá

Restaurado, carro fúnebre de Santos Dumont será destaque de exposição em Junho

Veículo, famoso por transportar o corpo do Pai da Aviação, que faleceu em Guarujá, passou por restauro em Santos e retorna à Cidade

Turismo

Mar doce: conheça as praias em rios, lagos e represas do interior paulista

Sem precisar ir até o litoral, em mais de 70 cidades é possível encontrar o lazer molhado, a pesca, os esportes aquáticos e muita diversão

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software