Instituto alerta para doenças cardiovasculares que matam 34 pessoas por hora no Brasil

Com a proximidade do Dia Mundial do Coração, celebrado no próximo dia 29, saiba como minimizar os riscos de infarto e outras doenças

Comentar
Compartilhar
23 SET 2019Por Da Reportagem16h10
Foto: Divulgação

Comemorado em 29 de setembro, o Dia Mundial do Coração tem por objetivo alertar e conscientizar a população sobre a importância de prevenir e diagnosticar precocemente as doenças cardiovasculares, bem como estimular pessoas a adotarem hábitos mais saudáveis, a fim de preservar a saúde do coração.

Hoje, as patologias associadas ao coração são as principais causas de mortes no mundo, segundo a World Heart Federation (WHF). Só no Brasil são registradas 34 mortes por hora, 829 óbitos por dia e mais de 302 mil óbitos por ano, de acordo com o último levantamento apresentado pelo Ministério da Saúde.

O país também registra 300 mil infartos por ano, sendo que 80 mil pessoas evoluem para óbito em decorrência desta patologia. A Baixada Santista, dentre todas as regiões do estado, é a que apresenta maior mortalidade devido ao Infarto Agudo do Miocárdio.

O elevado índice de óbitos esta relacionado a fatores como a falta de uma adequada prevenção cardiovascular, cujos inúmeros fatores de riscos, como por exemplo, a hipertensão arterial, o diabetes mellitus, o tabagismo, a obesidade e o sedentarismo fazem aumentar as chances de infarto.

Por isso, é fundamental realizar uma avaliação anual com um cardiologista para diagnosticar e controlar estes fatores de riscos e assim diminuir a possibilidade do infarto. “Nos casos em que os pacientes são acometidos pelo infarto do miocárdio, quanto mais rápido for reestabelecido o fluxo da artéria coronária ocluída (aquela que leva ao infarto), mais rapidamente a circulação coronariana voltará ao normal, levando oxigênio e nutrientes para a área infartada e, com isso, reduzindo o dano ao músculo cardíaco”, explica o médico cardiologista e diretor do Instituto Santista de Hemodinâmica, Dr. Luiz Cláudio Mendes Carvalho.

Ainda segundo o Dr. Luiz Cláudio Carvalho, outro ponto importante que pode salvar vidas é saber reconhecer de maneira precoce os sintomas do Infarto Agudo do Miocárdio. “Muitas vezes o indivíduo sente dor no peito, falta de ar ou até mesmo uma dor de estômago e fica aguardando algum tempo até procurar ajuda. Contudo, esta espera pode ser fatal”, ressalta.

Nos pacientes atendidos nas primeiras duas horas, os índices de mortalidade são de 2% a 3%, enquanto que em pacientes apresentados mais tardiamente com o quadro pode superar os 30%. Apesar da alta taxa de mortalidade, principalmente devido a falta de prevenção, tempo de reconhecimento dos sintomas pelos pacientes e, muitas vezes, pela falta de capacitação das equipes que fazem o primeiro atendimento, isso porque a imensa maioria dos serviços de emergência não contam com cardiologistas em suas escalas, o Brasil ainda é uma das maiores referências mundiais no tratamento das doenças coronarianas.

“Tanto em nível nacional como regional temos serviços de excelência que garantem o melhor atendimento aos pacientes que sofrem infarto, com resultados semelhantes aos melhores centros mundiais. A Baixada Santista, por exemplo, não deve nada aos maiores centros quando se trata de atendimento a pacientes agudos, ou seja, que necessitam de intervenções precoces, afinal possuímos laboratórios de hemodinâmica (sala onde se realiza o cateterismo e angioplastia) de ponta e profissionais altamente capacitados para execução destes procedimentos”, endossa Dr. Luiz Cláudio Carvalho.

Os principais fatores de risco estão ligados a hereditariedade, idade, sexo, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, colesterol e triglicérides elevados, tabagismo, obesidade, sedentarismo e estresse. No entanto, dentre os fatores citados, alguns não podem ser modificados, como a idade, o sexo e a hereditariedade, mas os demais podem ser modificados e controlados com o acompanhamento de um cardiologista, que atua com recomendações individualizadas para cada perfil de paciente.