Hospital de Câncer de Barretos ameaça fechar unidade do interior paulista

A unidade em Fernandópolis (a 555 km de São Paulo) pode ser fechada devido ao atraso no repasse de R$ 30 milhões do governo Geraldo Alckmin (PSDB)

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2016Por Folhapress21h00

Referência nacional no tratamento da doença, o Hospital de Câncer de Barretos ameaça fechar sua unidade em Fernandópolis (a 555 km de São Paulo) devido ao atraso no repasse de R$ 30 milhões do governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Em comunicado feito na manhã desta quarta-feira (1º), o gestor do hospital, Henrique Prata, disse que a unidade será fechada em 30 dias caso os recursos não cheguem ao hospital.

Maior instituição oncológica do país, o Hospital de Câncer de Barretos tem atualmente oito unidades no país -incluindo os hospitais de Fernandópolis e Jales. Para ter atendimento na sede, pacientes viajam até 3.000 km -incluindo de regiões como Norte e Nordeste.

Caso o Instituto de Prevenção Júlia Marzola Faria, em Fernandópolis, seja fechado, os pacientes precisarão ser remanejados para a unidade de Jales, na região de Araçatuba.

Apesar da alternativa, Prata disse que a unidade de Jales também tem dívidas a receber e corre o risco de ser desativado até o fim do ano. Segundo o gestor, o anúncio da possível desativação da unidade foi feito após análise dos gastos dos serviços prestados para as mais de 95 cidades que a unidade atende.

Inaugurado em 2013, o instituto de Fernandópolis realiza exames preventivos de câncer de colo de útero, de pele, de próstata e de boca. Mais de 3.000 atendimentos são realizados por mês na unidade.

A reportagem procurou a Secretaria do Estado da Saúde para o governo falar sobre o assunto, mas não houve resposta até o início da tarde desta quarta.