Hospitais da Baixada Santista não têm ECMO

Tratamento usado pelo ator Paulo Gustavo pode salvar vidas de pacientes com complicações graves da doença

Comentar
Compartilhar
12 ABR 2021Por Vanessa Pimentel08h01
Equipamento poupa coração e pulmão, e pode salvar a vida de pacientes em estado grave.Equipamento poupa coração e pulmão, e pode salvar a vida de pacientes em estado grave.Foto: EMBRAPII/DIVULGAÇÃO

Nenhum hospital da região possui o equipamento utilizado no tratamento chamado ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpó rea), terapia usada pelo ator Paulo Gustavo por complicações da Covid-19.

Com custo de R$ 30 mil por dia e a exigência de uma equipe especializada operando o aparelho 24 horas por dia, a opção não é mais disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2015, quando foi barrada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), segundo informação da médica cardiologista Ludhmila Hajjar, em entrevista à CNN na semana passada.

Em Santos, dos seis hospitais que atendem particular e planos de saúde, nenhum têm a máquina que realiza a terapia, segundo informações repassadas pelas assessorias de comunicação das unidades. A assessoria do Hospital Santa Casa informou que são raras as indicações para o tratamento com ECMO, o qual não possui cobertura pelo SUS, nem pela maioria das operadoras de planos de saúde.

"Diante disto, a instituição não possui como prioridade a aquisição deste equipamento, que ocupa um espaço de 5 metros quadrados, e requer equipe especializada e dedicada ao aparelho. Assim como os principais hospitais do Brasil, a Santa Casa de Santos utiliza, quando necessário, o recurso sob locação, mediante indicação médica", disse em nota.

Já o Hospital Ana Costa explicou que a unidade faz parte de uma rede de hospitais que possuem o equipamento e podem dar esse suporte, caso ele seja necessário para o tratamento do paciente. Sendo assim, é realizada a transferência para unidades de São Paulo, onde existe o ECMO.

COMO FUNCIONA

O sistema é utilizado para atender pacientes graves quando a ventilação mecânica não surte mais efeito, ajudando a manter o paciente vivo até que a doença regrida.

O tratamento funciona por meio de um equipamento composto por um circuito padrão, no qual o sangue das veias é removido do paciente, bombeado até um oxigenador e depois devolvido ao corpo por meio de uma artéria ou uma veia.

Ele também é indicado para adultos ou crianças em casos de transplante de coração, infarto do miocárdio, parada cardíaca e insuficiência respiratória aguda, condição também causada pela Covid-19, no qual há inflamação dos brônquios e o comprometimento dos alvéolos, pequenas estruturas que compõem o sistema respiratório, e funcionam levando o oxigênio à corrente sanguínea.

Na prática, ele funciona como um pulmão e um coração artificiais para pacientes que estão com esses órgãos muito comprometidos.