Guarujá passa a realizar cateterismo e angioplastia em pacientes da rede municipal

Munícipes já podem ser encaminhados para realização de procedimentos de radiologia intervencionista no Hospital Santo Amaro

Comentar
Compartilhar
05 MAI 2021Por Da Reportagem14h22
Mais de 50 atendimentos devem ser feitos mensalmenteMais de 50 atendimentos devem ser feitos mensalmenteFoto: DIEGO MARCHI/PMG

Guarujá começou a realizar cateterismo e angioplastia em pacientes da rede municipal nesta terça-feira (5) no Hospital Santo Amaro (HSA). Antes, todos os munícipes que necessitavam dos procedimentos eram colocados em uma fila do Governo do Estado, chegando a aguardar pelo menos 30 dias para fazer o exame em outros hospitais públicos na região.

Serão realizados 54 procedimentos mensalmente a pacientes ambulatoriais e de emergência da rede municipal. A novidade é fruto de uma contratualização entre a Prefeitura e o HSA para utilização do complexo de radiologia intervencionista.

"É um sonho realizado. São cerca 170 pessoas aguardando a realização desse exame na Cidade. Certamente conseguiremos acabar com a fila em alguns meses e, o que é mais importante, salvar muitas vidas", destaca o prefeito VálterSuman.

Investimento do Município

A Prefeitura já havia sinalizado ao Hospital Santo Amaro a intenção de contar com o serviço de hemodinâmica na rede pública, ainda em abril de 2020. Para isso, realizou repasses que foram destinados à construção do complexo de radiologia intervencionista, que além de contar com as salas para a operação do aparelho, também possui banheiros, vestiários e leitos de internação e repouso para os pacientes submetidos ao procedimento.

Exame que salva vidas

O cateterismo é um exame fundamental para detectar anomalias nas artérias coronárias e no músculo cardíaco. Costuma ser solicitado para pacientes com histórico de doenças coronarianas ou que já as estejam desenvolvendo.

A partir dele é possível indicar um tratamento correto e, conforme o problema encontrado corrigi-lo ali mesmo, por meio da angioplastia com o auxílio de stent coronariano, garantindo o prolongamento da vida do paciente de forma consistente, aliado ao uso de medicações.