Evento debate a jornada do paciente com Esclerose Múltipla

A doença neurológica, crônica e autoimune é a principal causa de incapacitação de jovens adultos

Comentar
Compartilhar
04 SET 2019Por Da Reportagem12h35
Um dos sintomas da doença é a alteração do equilíbrio da coordenação motora e formigamentFoto: Divulgação

Nesta quinta, dia 5, Santos recebe o evento “Esclerose Múltipla - Encontro de Amigos e Portadores”. Com o tema “Cada caminho uma história", o encontro disponibilizará, a partir de relatos, a jornada do paciente com Esclerose Múltipla, doença neurológica, crônica e autoimune, responsável por ser a principal causa de incapacitação de jovens adultos.

O encontro, promovido pelo Departamento de Neurologia da Universidade Metropolitana de Santos, reunirá médicos, estudantes, pacientes, cuidadores e familiares para palestras e debates sobre os caminhos pós-diagnóstico da Esclerose Múltipla. Na ocasião, serão tratados temas como importância da reabilitação multidisciplinar, tecnologia assistiva (técnicas e processos para assistência e reabilitação das pessoas com deficiência), entre outros.

“Esse evento é de extrema importância para a cidade de Santos, pois além de promover a conscientização da população sobre a Esclerose Múltipla, também possibilita a confraternização de todos os serviços que atendem a doença nesta cidade, ou seja, dos médicos, profissionais de saúde envolvidos no tratamento, pacientes, familiares e amigos”, afirma Dra. Andréa de Carvalho Anacleto Ferrari de Castro, Coordenadora do ambulatório de Doenças Desmielinizantes da Universidade Metropolitana de Santos.

Sobre a doença

Os principais sintomas da Esclerose Múltipla são visão turva ou dupla, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores musculares, fraqueza muscular, fadiga, formigamento, dormência, disfunção cognitiva, depressão, disfunções intestinais e de bexiga1. A doença neurológica, crônica e autoimune, é responsável por ser a principal causa de incapacitação de jovens adultos. Cerca de 60% das pessoas acometidas pela enfermidade podem inclusive tornar-se impossibilitados de andar.

“O principal desafio para quem tem Esclerose Múltipla hoje é conviver bem com a doença, seguir todas as orientações médicas, realizar reabilitação neurológica e ter qualidade de vida. Para que isso seja possível, o paciente necessita do apoio familiar, de amigos e dos profissionais de saúde”, acrescenta a médica.

Há exames laboratoriais e de imagem que auxiliam no diagnóstico da Esclerose Múltipla, como os que contemplam a análise do líquido cefalorraquidiano e a ressonância magnética que captura imagens da medula e do encéfalo. Em ambos os casos, o propósito é mostrar as lesões da desmielização (danificação da bainha de mielina dos neurônios).

 

Serviço:

Data: 05 de setembro de 2019

Horário: das 13h30 às 19h00

Local: Universidade Metropolitana de Santos

Endereço: Av. Conselheiro Nébias, Nº 536; (entrada pela Avenida Francisco Glicério, em frente à estação UNIMES do VLT)

Colunas

Contraponto