X
Saúde

Estresse da quarentena pode causar tremores nas pálpebras

A condição é benigna e está quase sempre relacionada a momentos de tensão e ansiedade

A mioclonia pode persistir durante semanas, principalmente quando ligada ao estresse / Divulgação

Nada mais irritante do que aquele tremor nas pálpebras, que surge do nada e incomoda bastante. O termo médico dessa condição é mioclonia ou mioquimia palpebral.

O tremor nas pálpebras está quase sempre ligado a quadros de estresse. E nada mais estressante do que a pandemia do coronavírus.
 
Segundo a oftalmologista Dra. Tatiana Nahas, Chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o tremor nas pálpebras é uma condição, geralmente, benigna.

“Na maioria dos pacientes, a mioclonia palpebral é um sinal de cansaço crônico, de ansiedade, de consumo excessivo de cafeína ou de álcool ou ainda de deficiência de magnésio. Trata-se de uma queixa constante na prática clínica e houve um aumento de consultas por esse motivo desde abril”, afirma Dra. Tatiana.
 
Qual a relação do estresse com os olhos?
 
“Quando estamos estressados, liberamos hormônios, como o cortisol, que vão para o sistema nervoso autônomo (responsável por controlar funções como respiração e digestão). “Lá, eles geram estímulos para as pálpebras e isso faz com que elas tenham contrações involuntárias e repetitivas das fibras do músculo orbicular palpebral”.
 
Mas, não é só o estresse que pode fazer suas pálpebras tremerem. O consumo além da conta de café e álcool também tem relação com a mioclonia. “Sabemos que durante a quarentena houve um aumento no consumo de álcool e isso pode ter contribuído para o tremor palpebral.
 
Outros culpados
 
Outra causa comum do tremor nas pálpebras é o cansaço visual, decorrente do uso excessivo de celular, computador e televisão. “O que as pessoas mais fizeram dentro de casa foi exatamente aproveitar a tecnologia para passar o tempo”, diz Dra. Tatiana.
 
A deficiência de magnésio, mineral ligado à transmissão de impulsos nervosos e às contrações musculares, bem como a falta de óculos ou de lentes com graus inadequados e o olho seco também podem fazer suas pálpebras tremerem.
 
Gerenciamento do estresse
Não há nenhum tratamento para o tremor nas pálpebras. “O que é recomendado ao paciente é gerenciar o estresse, diminuir a ingestão de cafeína e álcool e trabalhar nos outros fatores de risco passíveis de prevenção, como reduzir a quantidade de horas em frente ao computador, consumir alimentos ricos em magnésio e assim por diante”, comenta a médica. 
 
 
Tremores acompanhados de outros sintomas devem ser investigados

A mioclonia pode persistir durante semanas, principalmente quando ligada ao estresse. E como a maioria da população anda bem estressada, o tremor palpebral pode durar bastante tempo. A boa notícia, de acordo com Dra. Tatiana, é que não é preciso se preocupar, desde que não haja outros sintomas relacionados.
 
“Quando o tremor persistir e outras manifestações surgirem, como contrações musculares nos braços e nas pernas, alteração da força, cansaço crônico, perda de peso, alterações visuais, no paladar, olfato, entre outros, é preciso investigar junto ao oftalmologista”, finaliza Dra. Tatiana.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Educação

PG sedia Fórum Regional da Educação promovido pela UVEBS

Encontro teve como tema central os "Desafios Durante a Pandemia"

Política

Lula elogia Dilma, mas diz que, aparentemente, aliada 'não gostava de conversar'

Ao comentar que política não se aprende da Universidade, Lula declarou que, apesar da competência técnica da sua sucessora, ela parecia não estar aberta ao diálogo, e justificou afirmando que a experiência da Dilma "foi muito sofrida"

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software