Estoque de vacina DTP está zerado na região

Além da tríplice bacteriana, faltam doses de mais sete vacinas.

Comentar
Compartilhar
18 NOV 2019Por Vanessa Pimentel08h49
Não há previsão de quando a situação será normalizada.Foto: DIVULGAÇÃO

O estoque da vacina DTP, também conhecida como tríplice bacteriana - pois protege contra difteria, tétano e coqueluche - está zerado nas cidades da Baixada Santista, e não há previsão de quando a situação será normalizada, segundo as prefeituras.

Dos noves municípios, Guarujá é o que está em estado mais crítico em relação à falta de doses. Por lá não há mais imunização contra febre amarela; hepatiteB; polio oral (VOP) - que imuniza contra a paralisia infantil; meningocócica (contra meningite); Pentavalente (contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meninge); Pneumocócica (pneumonia) e Dtpa (protege gestante e bebê contra difteria, tétano e coqueluche).

Em Cubatão, além da DTP, acabou a tetra viral (imuniza contra a catapora, sarampo, caxumba e rubéola). Em Santos a situação também é preocupante, já que de acordo com a Secretaria de Saúde, foram solicitadas ao Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE), do governo estadual, um total de 56.200 doses para atender a demanda reprimida e garantir a imunização prevista para novembro. Mas, foram recebidas no último dia 6, apenas 17.304 doses de 16 vacinas, correspondente a 30,7% do total solicitado, não sendo suficientes para a necessidade do município.

Da vacina pentavalente, que estava em falta na rede, das 5 mil doses solicitadas, 1.500 foram enviadas, o que representa uma média de 50 doses por policlínica (29 unidades que realizam vacinação) - por isso os estoques já estão no fim. Da poliomielite oral (VOP), foram repassadas 24 frascos, não sendo possível distribuir uma por unidade. Santos chegou a pedir cinco mil doses da DTP, mas não foi atendida e os estoques continuam zerados na rede municipal. Quem tiver dúvidas em relação ao serviço, pode procurar, das 9h às 16h, uma das policlínicas santistas.

São Vicente informou que recebeu, pelo segundo mês consecutivo, 50% da cota mensal da vacina Pentavalente. No mesmo período, a cidade recebeu quantidades inferiores à cota da VOP e da vacina contra Febre Amarela. Já a DTP segue em desabastecimento. Para se vacinar, os munícipes devem se dirigir a Unidade de Saúde mais próxima.

Em Itanhaém, Bertioga, Mongaguá e Peruíbe, com exceção da DTP, as vacinas que fazem parte do Calendário Nacional de Vacinação seguem sendo aplicadas. Cubatão recebeu nessa semana entrega parcial da dupla adulto, pólio oral e pentavalente. A VOP está sendo oferecida na UBSs Jardim Casqueiro e Vila Nova.

Mongaguá dispõe de doses de Febre Amarela, HPV, Dupla Adulto, Polio, Tríplice Viral, Varicela, Meningococo C, Hepatite A, Hepatite C, em volumes suficientes para atender a demanda por cerca de 15 dias. Há também unidades de VOP e Penta, mas em pequenas quantidades, que contemplarão a população por mais alguns dias apenas. Não há previsão de novas remessas.

Além da falta e vacinas, Guarujá enfrenta estoques baixos para a imunização contra catapora (25 doses). A pentavalente, que estava em falta, chegou na semana passada, mas como foram enviadas só 1.200, o estoque já acabou.

RESPONSABILIDADES

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado informou que a responsabilidade da aquisição e distribuição da vacinas é do Ministério da Saúde. O Estado redistribui para os municípios, à medida que os lotes chegam. Nos últimos meses, o envio das doses pelo órgão federal tem sido irregular e em quantidades insuficientes.

O último lote de pentavalente e poliomielite foi recebido outubro e foram destinadas, respectivamente, 12 mil e 2 mil doses à Baixada Santista.

A falta de vacinas tem sido um problema recorrente desde julho, em todo o país. O que o Ministério da Saúde alega é que algumas foram reprovadas em testes de qualidade feitos pela Anvisa, como, por exemplo a Pentavalente.

Até então, o prazo para regularizar o abastecimento era novembro, mas o problema persiste. A reportagem questionou novamente o órgão, mas não obteve retorno até o fechamento desta reportagem.