Dormir mal engorda. Obesidade crescerá 67% no Brasil até 2020

Se o ritmo atual de crescimento da obesidade no Brasil for mantido, o País terá 35% de sua população adulta obesa, índice semelhante ao dos Estados Unidos e do México

Comentar
Compartilhar
27 AGO 2018Por Nilson Regalado11h38
Mais de 43 milhões de adultos brasileiros serão obesos em 2020, com graves impactos na saúde dessas pessoas e nas finanças do Sistema Único de Saúde (SUS)Foto: Divulgação

Mais de 43 milhões de adultos brasileiros serão obesos em 2020, com graves impactos na saúde dessas pessoas e nas finanças do Sistema Único de Saúde (SUS). Se confirmada, essa projeção representará um crescimento de 67% em apenas sete anos, segundo dados da última Pesquisa Nacional de Saúde publicada pelo IBGE em 2013.

Se o ritmo atual de crescimento da obesidade no Brasil for mantido, o País terá 35% de sua população adulta obesa, índice semelhante ao dos Estados Unidos e do México, reconhecidos pelo apreço ao fast food e às comidas processadas. 

Essas revelações foram feitas durante Ciclo de Palestras realizado no último dia 20, na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). O evento contou com a participação da Faculdade de Saúde Pública da USP.

A prevalência de obesidade no Brasil se intensificou a partir dos anos 2000 e mudanças no padrão alimentar da população contribuem para essa escalada. O problema atinge todas as faixas etárias e níveis de renda e em maior proporção em mulheres do que homens. 

A mais recente edição da Pesquisa Nacional de Saúde indicou que o brasileiro tem consumido menos arroz, feijão, carne, leite, açúcar, óleos e gorduras, em troca de mais pães, biscoitos, refrigerantes e outros grupos de alimentos. 

Mas a constatação de que tem diminuído o consumo de açúcar, óleos e gorduras intrigou o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP, afinal esses nutrientes estão relacionados com o desenvolvimento da obesidade.

Os pesquisadores passaram a analisar a alimentação a partir do nível de processamento dos alimentos e não mais de nutrientes. A análise da dieta por esse ponto de vista indicou aumento no consumo de ultraprocessados, formulações industriais como proteína texturizada da soja, adicionados para dar mais sabor e aroma. 

Além de mudanças no padrão alimentar, outros fatores que podem contribuir para a obesidade são distúrbios no sono, nos ritmos biológicos e na produção de melatonina. Foi o que constatou o Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

Esses três fatores são responsáveis pela regulação do balanço energético e do peso corpóreo. Regulam também a síntese de secreção da insulina e de outros hormônios importantes para o organismo.

A troca da noite pelo dia, a redução do sono e a diminuição da produção de melatonina pela iluminação noturna podem causar ruptura na distribuição rítmica dessas funções biológicas – chamada cronorruptura – e desencadear o desenvolvimento da obesidade.

Navalha na Carne
Tão promissora nos governos petistas, a indústria da carne sangra no Governo Temer. Consumo interno em queda há três anos, embargos internacionais por falta de higiene e a greve dos caminhoneiros provocaram um rombo de R$ 4 bi no segundo trimestre nas gigantes Marfrig, JBS, BRF e Minerva Foods. Companhias que produzem aves e suínos foram as mais prejudicadas.
 
Brasilidade à mesa...
Grandes chefs de cozinha participaram, na primeira quinzena de agosto, do III Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas, em BH. Resumo: continua válida a máxima do chef Paulo Martins, que, há 50 anos, se notabilizou por usar ingredientes da Amazônia em pratos que ganharam fama internacional.
 
...cultura e vira-latas
Os especialistas em alta gastronomia concluíram que a “ditadura dos restaurantes franceses na década de 1980” vem perdendo espaço na medida em que nós, brasileiros, amadurecemos e valorizamos ingredientes nativos, reflexos de uma cultura única no mundo.