Doria anuncia vacinação de grávidas, pessoas com deficiência e comorbidades na próxima semana

Em 11 de maio, começa vacinação de gestantes e das mães com comorbidades que deram à luz recentemente, um total de 100 mil mulheres acima de 18 anos

Comentar
Compartilhar
05 MAI 2021Por Folhapress15h29
Pessoas com comorbidades precisam apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica.Pessoas com comorbidades precisam apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica.Foto: Arquivo/Agência Brasil

O governo João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta-feira (5) o início da vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades, pessoas com deficiência e novos grupos de comorbidades a partir de 55 anos na próxima semana.

A informação foi divulgada em entrevista coletiva no Palácio do Bandeirantes, na zona oeste de São Paulo, sobre medidas para combater o coronavírus.

Em 11 de maio, começa vacinação de gestantes e das mães com comorbidades que deram à luz recentemente, um total de 100 mil mulheres acima de 18 anos. No caso das puéperas, são pessoas até 45 dias após o parto.

No mesmo dia, também começa a imunização de pessoas com deficiência permanente, entre 55 e 59 anos, um total de 30 mil pessoas, inclusos no BPC.

Já no dia seguinte será iniciada a vacinação das pessoas entre 55 e 59 anos que possuam comorbidades, um total de 900 mil pessoas.

As gestantes poderão apresentar carteira de acompanhamento, pré-natal ou laudo médico. No caso de puérperas, elas devem apresentar a declaração de nascimento da criança.

Pessoas com comorbidades precisam apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica. Cadastros já existentes nas unidades básicas podem ser utilizados.

As comorbidades incluídas são aquelas previstas pelo Ministério da Saúde (veja ao fim da reportagem).

As pessoas com deficiência permantente que fazem uso do benefício de prestação (BPC) continuada devem apresentar o comprovante de recebimento da prestação continuada.

"Estamos caminhando. Gostaríamos de ter mais celeridade nesse processo, mas precisamos ter mais vacina. O estado de São Paulo em números absolutos é aquele que mais vacina, nós estamos com todas unidades trabalhando e continuaremos trabalhando", disse Regiane de Paula, coordenadora estadual de imunização.

Questionado sobre remessas da Coronavac, Cintia Lucci, diretora de assuntos estratégicos do Butantan, disse que há previsão de chegada de insumos no dia 15. Se o prazo for cumprido, não deve haver atrasos em maio.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, anunciou os dados da doença, que já matou 98.710 pessoas no estado. A taxa de ocupação das UTIs no estado é de 78,3% e, na Grande SP, de 76,4%.

A média de casos diária da semana aumentou, 2,5%, passando de 12.573 para 12.887. As internações caíram 0,2%, passando de 2.243 para 2.239.

Já a média diária da semana de mortes passou de 636 para 636, uma queda de 1,3%.

"Devo dizer que estamos otimistas com relação à evolução do processo, migrando talvez para uma fase menos restritiva. Mas isso só teremos confirmação de fato na sexta feita com dados que serão avaliados pelo centro de contingência", disse Doria.

Paulo Menezes, coordenador do comitê, afirmou que ainda está sendo analisada a tendência dos indicadores. "O fato de ter havido um aumento no número de casos ainda requer um exame mais profundo. Vocês sabem que existe por exemplo um atraso nas notificações de casos", disse Menezes.

João Gabbardo, do comitê, disse que indicadores não indicam necessidade de retrocesso no plano de transição. 

"Eles simplesmente mostram que houve uma redução na queda que nós estávamos apresentando. O que esses dados indicam e para que são extremamente importantes? Para que a população entenda que nós estamos ainda numa situação muito grave, que as medidas de distanciamento social são extremamente necessárias", disse.

Segundo ele, se as pessoas evitarem aglomerações, haverá melhores condições para que se continue no processo de enfrentamento "com o funcionamento das atividades numa forma segura, gradativa e retorno lento à normalidade".

GRUPOS INCLUÍDOS

Grávidas e puérperas com comorbidades acima de 18 anos - 11 de maio
Pessoas com Deficiência Permanente (BPC) entre 55 a 59 anos - 11 de maio
Pessoas com Comorbidades 55 a 59 anos - 12 de maio

VEJA AS COMORBIDADES INCLUÍDAS

Doenças Cardiovasculares
Insuficiência cardíaca
Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar
Cardiopatia hipertensiva
Síndrome coronarianas
Valvopatias
Miocardiopatias e Pericardiopatias
Doença da Aorta, dos Grandes Vasos e Fistolas arteriovenosas
Arritmias cardíacas
Cardiopatias congênitas no adulto
Próteses valvares e Dispositivos cardíacos implantados
Diabetes mellitus
Pneumopatias crônicas graves
Hipertensão arterial resistente
Hipertensão artéria estágio 3
Hipertensão estágios 1 e 2 com lesão e órgão alvo
Doença Cerebrovascular
Doença renal crônica
Imunossuprimidos
Anemia falciforme
Obesidade mórbida
Cirrose Hepática
HIV