Denúncias de violência contra a mulher crescem 20%, segundo o governo

De acordo com a SPM, a central de atendimento fez 485.105 atendimentos no ano passado. Criado em 2005, o serviço já realizou mais de 4 milhões de atendimentos

Comentar
Compartilhar
06 MAR 201513h26

Às vésperas da comemoração do Dia Internacional da Mulher, no próximo domingo, 8, a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) divulgou, nesta sexta-feira, 6, que as denúncias de violência sexual contra a mulher (estupros, assédios e exploração sexual) cresceram 20% em 2014, quando comparadas ao ano anterior. Em média, foram registrados quatro atendimentos dessas denúncias por dia por meio da Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180.

De acordo com a SPM, a central de atendimento fez 485.105 atendimentos no ano passado. Criado em 2005, o serviço já realizou mais de 4 milhões de atendimentos.

Nesta sexta-feira, a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, anuncia a ampliação do Ligue 180 para França, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, Guiana Francesa, Argentina, Uruguai, Paraguai, Holanda, Suíça, Venezuela, Bélgica e Luxemburgo. As brasileiras que vivem na Espanha, na Itália e em Portugal já são atendidas pela central.

As denúncias de violência sexual contra a mulher (estupros, assédios e exploração sexual) cresceram 20% em 2014 (Foto: Divulgação)

"É uma sociedade machista e patriarcal no Brasil e no planeta como um todo, que permeia os valores culturais, os valores de que em briga de marido e mulher não se mete a colher", comentou a ministra. "O Estado tem a obrigação e o dever de meter a colher de pau com políticas públicas de qualidade e eficientes. As mulheres e a população em geral estão mais confiantes nas políticas públicas porque elas estão vendo que as políticas públicas estão de uma forma republicana e federativa."

Segundo a SPM, de um total de 52.957 denúncias de violência contra a mulher em 2014, 27.369 corresponderam a denúncias de violência física (51,68%), 16.846 de violência psicológica (31 81%), 5.126 de violência moral (9,68%), 1.028 de violência patrimonial (1,94%), 1.517 de violência sexual (2,86%), 931 de cárcere privado (1,76%) e 140 envolvendo tráfico (0,26%). Quando comparado a 2013, foi registrado um aumento de 50% nos registros de cárcere privado de mulheres.