Cultura caiçara evita obesidade, diz médico

Apesar de destacar que a cultura caiçara 'dribla' problemas com peso, médico ainda acredita que cuidados precisam ser tomados para evitar pior cenário.

Comentar
Compartilhar
10 NOV 2019Por LG Rodrigues09h35
Joaquim Guimarães Neto afirma que cultura caiçara impede que população seja mais obesa, mas destaca que cuidados devem ser tomados; prevalência da obesidade voltou a crescer no Brasil.Foto: DIVULGAÇÃO

Apesar de ser uma população pouco afetada pela obesidade, os moradores de Santos estão hoje mais 'rechonchudos' do que estavam há algumas décadas. Ao menos essa é a constatação de um médico cirurgião de Santos que alerta para os riscos do sedentarismo e dos altos níveis de colesterol no organismo de adultos e crianças.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde em julho deste ano, a prevalência da obesidade voltou a crescer no Brasil. A afirmação foi feita pelo órgão após um levantamento realizado pelo governo. De acordo com os números divulgados pela instituição, houve aumento de 67,8% nos últimos treze anos nos casos de obesidade, saindo de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018. O Brasil nos últimos três anos apresentou taxa estável da doença. Desde 2015, a prevalência de obesidade se manteve em 18,9%.

Em 2018, os dados também apontaram que o crescimento da obesidade foi maior entre os adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos, com 84,2% e 81,1%, respectivamente. Apesar de o excesso de peso ser mais comum entre os homens, em 2018, as mulheres apresentaram obesidade ligeiramente maior, com 20,7%, em relação aos homens que ficaram em 18,7%.

E estes números também refletem na Baixada Santista, embora em uma escala muito menor, de acordo com o médico cirurgião Joaquim Guimarães Neto.

"A população santista de uma maneira geral, em parte pela nossa geografia e clima, tem uma cultura maior em relação a outras regiões quanto a práticas esportivas e cuidados com o corpo, que logicamente colabora com o controle do peso. Contudo, é inegável que uma oferta maior de alimentos calóricos e poucos nutritivos, faz com que em media, esta população tenha tido um ganho considerável de peso em 30 anos", afirma.

Por definição, Joaquim explica que a obesidade é uma doença crônica levada pelo excesso de gordura corporal e que impacta de maneira negativa na saúde do individuo acometido pelo problema. A pessoa pode passar a ser considerada obesa quando a relação de peso e altura, calculada pelo Índice de Massa Corpórea (IMC) for acima de 30.

"A obesidade impacta diretamente na saúde publica do País, aumentando gastos com internações, consultas, medicamentos com esses indivíduos . Daí o grande problema dos últimos anos com crescente numero de obesos", explica.

Apesar do caiçara médio de 30 anos de hoje estar ligeiramente mais 'pesado' do que o caiçara médio de 30 anos que viveu na década de 90, Joaquim explica que a doença não pode ser ignorada pois pode acarretar em outros problemas de saúde que não são apenas estéticos.

"A obesidade e uma doença q ataca em vários flancos. Ela sempre impacta negativamente nossa saúde, independente das manifestações clinica. Com o passar do tempo passamos a manifestar problemas característicos a esse aumento de peso, como por exemplo, hipertensão arterial, diabetes, infertilidade na mulher e até alguns tipos de câncer", afirma.

Joaquim destaca que a obesidade é de difícil combate, mas explica que uma dieta regular, saudável e com menos embutidos, farináceos, açúcares e processados ainda são a melhor saída quando acompanhada de atividade física regular, de preferência supervisionada por profissionais habilitados.

"Talvez voltar aos hábitos do passado seja uma dica interessante. Cozinhar e preparar nossa própria comida, com alimentos in natura, muitas vezes cultivados na nossa própria casa, como era comumente feito na época dos nossos avôs".