Governo SP

Crise afeta rede de saúde pública de Cubatão

Servidores não recebem há quatro meses e médico afirma: “as equipes vão começar a debandar”

Comentar
Compartilhar
20 NOV 201210h26

Não é de hoje que o orçamento de Cubatão está dando dor de cabeça para os servidores públicos. Mas, desta vez, ou melhor, há quatro meses, está afetando uma área importante em qualquer município: a Saúde. 

“As equipes vão debandar. Não vamos fazer manifestação, vamos simplesmente deixar os cargos e isso é questão de dias. Estamos trabalhando sem salários há quatro meses”, desabafa um médico que atua há 16 anos na rede pública de saúde de Cubatão e preferiu não revelar a identidade. “Nunca vi essa situação em Cubatão. O sistema de saúde funcionava tão bem, era considerado um dos melhores”, lamenta.
 
O médico afirma ainda que as equipes vão embora porque sabem que no fim de ano, onde a remuneração é maior, elas continuarão sem salários. “Hoje, o hospital só funciona porque os médicos bancam. Ninguém aguenta essa situação. Este mês recebemos 50% do salário referente a julho deste ano”, conta.
 
A ex-secretária de Saúde de Cubatão, Rosana Pereira Madeira Grasso, pediu o desligamento do cargo no último mês alegando motivos particulares, segundo a Prefeitura. Desde o dia 1º deste mês, o advogado André Takagochi Rinaldi, que atuava na diretoria administrativa da Secretaria de Saúde, assumiu a pasta. Rosana permaneceu no cargo por 11 meses.
 
Perguntado sobre o que a Prefeitura alega aos servidores sobre a falta de pagamento e a possível saída das equipes, o médico explica que “a Secretaria agradece o esforço e entende que não dá para trabalhar desta forma”.
 
Contatados pela reportagem, a Administração afirmou que, apesar da queda de arrecadação de impostos no Município, a Prefeitura e a Pró-Saúde têm trabalhado em conjunto para regularizar a situação financeira entre ambas as partes. Afirmou ainda que, neste sentido, a Prefeitura de Cubatão está realizando repasses constantes à instituição. Por exemplo, os valores referentes aos salários de julho foram integralmente repassados.
 
Quanto ao desligamento das equipes, a Prefeitura esclareceu que não há nada oficializado junto ao Hospital e, caso isso aconteça, a Administração cobrará da Pró-Saúde providências para não afetar a assistência ao serviço no Município.
 
Segundo denúncia, médicos estão sem salários há mais de quatro meses (Foto: Arquivo/DL)

Colunas

Contraponto