Condesb discute retomada econômica e cobra repasse de 137 respiradores

A exposição das propostas ao Estado ocorrerá durante reunião do Conselho Municipalista, órgão composto por prefeitos de 15 regiões metropolitanas mais a Capital (São Paulo)

Comentar
Compartilhar
23 MAI 2020Por Da Reportagem16h03
A preocupação dos prefeitos da Baixada Santista é com a demanda urgente por 137 respiradores.Foto: Divulgação/PMS

Será apresentado na próxima terça-feira (26), ao Governo do Estado, o plano regional de retomada econômica. O tema foi discutido em videoconferência, neste sábado (23), entre os membros do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) e o secretário estadual de Turismo, Vinicius Lummertz, incumbido de acompanhar as demandas da região para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

A exposição das propostas ao Estado ocorrerá durante reunião do Conselho Municipalista, órgão composto por prefeitos de 15 regiões metropolitanas mais a Capital (São Paulo), para avaliar de forma aprofundada as medidas de reabertura gradual da economia conforme a evolução dos índices de contágio da doença.

A preocupação dos prefeitos da Baixada Santista – apresentada a Lummertz e, anteriormente, ao secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann – é com a demanda urgente por 137 respiradores, solicitados há mais de um mês ao Estado. A distribuição dos equipamentos aos municípios proporcionará uma redução da ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da região.

Os respiradores, cuja disponibilização foi assumida como compromisso pelo Governo do Estado, fazem parte de um lote de três mil unidades já compradas, atualmente em fase de logística da entrega.

OCUPAÇÃO DAS UTIs

Neste sábado (23), a ocupação dos leitos de UTI na região gira em torno dos 80%, o que deixa a Baixada Santista de fora de uma das condições para flexibilização das medidas de quarentena: a ocupação máxima de 60% desses leitos. 

A proposta do Condesb é de que a distribuição dos aparelhos ocorra de acordo com a necessidade de ampliação das vagas de cada cidade, atendendo aquelas já preparadas para a abertura dos leitos.