Como tratar as estrias

Inicialmente tratadas como lesões sem cura, é possível melhorar a aparência da pele

Comentar
Compartilhar
02 NOV 201314h30

As estrias são um verdadeiro flagelo na vida das mulheres e elas “atacam” os homens também. Elas surgem quando ocorre o rompimento das fibras responsáveis pela elasticidade da pele, as fibras colágenas. Essas fibras têm um formato de três hélices contorcidas em um mesmo eixo, e se encontram na segunda camada da pele, a derme. Elas se rompem por diversos motivos: aumento de peso brusco, seja em uma gravidez ou pelo “efeito sanfona”; durante a fase da puberdade, no crescimento acelerado; por causa de alguns medicamentos, como é o caso do uso de corticoides, explicam os médicos.

Em alguns casos elas podem ser prevenidas, evitando o ganho de peso e aumento muscular rápido, assim as fibras têm uma menor chance de romper e dar origem a estrias. Em outros casos isso não e possível de ser evitado, como no crescimento rápido dos adolescentes, ou na distensão da barriga da gestante. Os cuidados básicos com a pele também diminuem a chance do seu aparecimento. Nesse caso, a hidratação é a melhor aliada, pois uma pele mais hidratada suporta mais os efeitos da distensão. O aparecimento das estrias é determinado principalmente pela genética, muitas vezes nos deparamos com pacientes obesas sem nenhuma estria, e outras, que com uma pequena distensão da pele formam muitas estrias. Isso tudo se deve a genética de cada uma.

A alimentação é muito importante na prevenção, deve ser pobre em doces e gorduras, rica em vitamina C, e ingestão de pelo menos 8 copos de água por dia, tudo para ajudar na produção de colágeno, com a finalidade de melhorar a elasticidade da pele. Os exercícios físicos são também importantes, pois além de diminuir o acúmulo de gordura, o músculo estimulado propicia uma melhor circulação local, tanto sanguínea como também linfáticas. Uma circulação linfática eficiente faz com que tenha menos inchaço e, por conseguinte, menor distensão. Porém, os exercícios de musculação que visam a hipertrofia do músculo podem propiciar o aparecimento de novas estrias.

Para se combater as estrias, além das orientações acima, é preciso manter a pele bem hidratada, se possível hidratar pelo menos 2 vezes ao dia. Cremes a base de óleo de amêndoa, Aloe vera, hamamelis, ureia, acido lático, auxiliam no processo de hidratação e regeneração celular. A boa hidratação permite maior distensão sem arrebentar a pele, o que daria lugar as estrias.

Manter a pele constantemente hidratada é o primeiro passo na prevenção das estrias (Foto: GB Imagem)

As estrias são lesões irreversíveis e, portanto, não existe um tratamento que faça a pele voltar ao que era antes. Os tratamentos visam melhorar o aspecto das lesões, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e tornando-as mais semelhantes à pele ao redor. Vale ressaltar que, no caso de estrias recentes, são lesões avermelhadas que podem ser removidas com a luz intensa pulsada ou lasers que tem como alvo o pigmento avermelhado das mesmas. Quanto mais precoce o tratamento, melhor o resultado. Essas estrias recentes podem chegar a desaparecer completamente.

Lembrando que é preciso a orientação médica de dermatologista para o tratamento das estrias e ter cuidado com os “opções milagrosas” que o mercado da estética às vezes oferece, é bom saber que o problema tem tratamento; se você sofre por causa de estrias, saiba quais são algumas de suas opções.

Microdermoabrasão - consiste em remover as células mortas da camada mais externa da pele, através de um equipamento que faz uma esfoliação das lesões, estimulando a formação de colágeno e elastina na pele, tratando progressivamente as estrias.

Intradermoterapia - consiste em injeções de substancia na derme, através de uma agulha de 4 mm, visando estimular novo colágeno e melhorar a circulação do local.

Peeling químico - aplicação de ácidos, que promovem uma descamação local e produção de novas fibras de colágeno, e uma retração das estrias.

Radiofrequência (Accent) - estimula o colágeno e promove uma reorganização da trama elástica, melhorando o aspecto das estrias.

CO2 fracionado – laser que melhora muito a qualidade da pele e atenua as estrias, podendo ser feitas sessões mensais, é um tratamento muito promissor para as estrias.

Infravermelho mais ácido retinóico – um aparelho dispara os raios infravermelhos que estimulam a produção das células formadoras do colágeno e elastina. Depois é feita a aplicação do ácido retinoico que aumenta as fibras de sustentação da pele.

Luz intensa pulsada mais ácido retinoico – a luz pulsada serve para regenerar as estruturas da pele e trata os vasos dilatados, responsáveis pela aparência avermelhada da lesão. Depois é aplicado o ácido retinoico.

Vitamina C mais luz intensa pulsada – a Vitamina C é injetada na camada superficial da pele. Depois vem a ação da luz intensa pulsada que ajudará no afinamento das linhas.