Como proteger sua audição na Copa do Mundo

Para evitar problemas auditivos, especialista recomenda o uso de protetores de ouvido

Comentar
Compartilhar
20 JUN 201412h15

Durante a Copa do Mundo, barulho é o que não falta: cornetas, apitos, gritos, música alta, televisões em volume máximo, fogos de artifício, são ruídos frequentes. A festa é contagiante, mas barulhenta! E quem mais sofre são os ouvidos.

Como se proteger? Para garantir uma diversão saudável durante a Copa, no meio dos torcedores, a fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas, aconselha o uso de protetores auriculares ou atenuadores, que diminuem o impacto do barulho.

“Os atenuadores, como o nome diz, reduzem o barulho que entra pelos ouvidos, mas permitem que as pessoas escutem os sons ao redor. Assim, o torcedor participa da festa, sem descuidar de sua audição. Existem no mercado alguns tipos. Os atenuadores da Telex, por exemplo, diminuem o barulho ambiente em até 25 decibéis. São feitos em acrílico e moldados de acordo com a anatomia do ouvido de cada usuário”, explica Marcella Vidal.

Para quem assiste aos jogos nos estádios ou junto às torcidas de rua, o uso de atenuadores nos ouvidos é fundamental. Além disso, a fonoaudióloga, especialista em audiologia, recomenda uma distância mínima de 10 metros de aglomerações barulhentas. No caso das crianças, os cuidados devem ser redobrados. O barulho em excesso pode trazer irritação, choro e elas podem sair daquele ambiente com um forte zumbido no ouvido, sem que os pais percebam.

Durante a Copa do Mundo, barulho é o que não falta: cornetas, apitos, gritos, música alta, televisões em volume máximo, fogos de artifício, são ruídos frequentes (Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMM)

De acordo com especialistas, o ouvido humano suporta até 85 decibéis, mas, sem perceber, os torcedores estão expostos a sons bem mais altos, que podem atingir até 120 decibéis, barulho semelhante ao de uma turbina de avião.

A perda de audição depende tanto da potência do som como do período de exposição ao ruído. “De imediato, por causa da intensidade do barulho, as pessoas podem ter a sensação de ouvido tampado, tontura, zumbido e dificuldades para ouvir”, afirma a fonoaudióloga da Telex.

A perda auditiva é cumulativa. Dependendo da frequência, do tempo de exposição ao som elevado e da predisposição, o indivíduo pode sofrer danos auditivos cada vez mais severos, de forma contínua e elevada, ao longo da vida. Por isso, qualquer pessoa que ficar próxima a sons altos e estridentes pode sofrer - ou agravar - problemas de audição.

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia estima que 15 milhões de pessoas sofrem algum problema de audição e que cerca de 350 mil não ouvem qualquer tipo de som. Portanto, fique atento. É necessário cuidar da audição também durante a Copa do Mundo.