Cirurgias programadas são suspensas no Hospital Santo Amaro

Prefeitura estava há dois meses sem repassar subvenção mensal de R$ 350 mil à unidade

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201314h47

As cirurgias eletivas, ou seja, programadas, estão suspensas no Hospital Santo Amaro. O motivo é o atraso no repasse da subvenção da Prefeitura. Médicos terceirizados que atendem na unidade não recebem honorários há dois meses e os rumores de uma possível greve alarmou parentes de pacientes que estão internados no hospital, na manhã de ontem.

“Fiquei em pânico quando eu soube que os médicos estavam em greve. Minha mãe está em estado grave e o médico que tratava dela há seis meses não apareceu mais. Desde sexta-feira é outro médico que atende e ninguém explica nada pra gente”, disse aflita a estudante, Stephany Costa de Moraes. A mãe da estudante tem 51 anos, sofre de câncer e voltou a ser internada há duas semanas. Há seis meses foi submetida a uma cirurgia para a retirada do útero, onde se localizava o primeiro tumor. “Minha mãe voltou porque o câncer se espalhou para o fígado e ela não pode ficar sem tratamento. Ela sente muitas dores”.

Outro drama enfrenta a dona de casa Raquel Santiago Vieira. A filha de Raquel, de 6 anos, foi internada com crise de asma há três dias, mas de acordo com ela, exames revelaram um problema no coração. “Eu estou muito preocupada porque não tenho plano de saúde. Se eles (médicos) pararem o que eu vou fazer com a minha filha?“, afirmou a mãe que aguardava impaciente o horário da visita na porta do hospital.

A estudante, Joice Iara Ferreira de Oliveira, também esperava para visitar a cunhada que passou por uma cirurgia há 15 dias e não tem previsão de alta médica. “A outra paciente que está no quarto da minha cunhada seria operada hoje (ontem), mas eu soube que a cirurgia dela foi cancelada, assim como de outras pessoas também”.

Já a aposentada, Maria de Lourdes Maciel, que recebeu alta médica ontem — após oito dias de internação por causa de uma pancreatite — disse que foi “muito bem atendida, embora o assunto hoje (ontem) aqui no Hospital durante toda a manhã fosse a greve. Perguntei a uma enfermeira, mas ela não confirmou a greve”.

Nossa equipe de reportagem não foi recebida pelo presidente da comissão gestora do Hospital Santo Amaro, Urbano Bahamonde Manso, mas a administração do Hospital confirmou, por telefone, à tarde, que houve a paralisação por algumas horas na manhã de ontem, porém, que o atendimento foi normalizado a partir do meio-dia.

Manso se reuniu com o corpo clínico de traumatologia, neste período, que retornou ao serviço após a reunião. A unidade de trauma estava fechada ontem de manhã, segundo informou o vereador Válter Suman, que é médico do hospital e membro da Comissão Permanente de Saúde da Câmara Municipal. Um cirurgião do hospital que concedeu entrevista ao DL, mas pediu para não ser identificado, afirmou que foi notificado oficialmente na última quinta-feira sobre a situação do hospital e que as cirurgias eletivas estavam suspensas.

Suman também confirmou que apenas as cirurgias de urgência estão sendo atendidas e que não há previsão para retorno das cirurgias agendadas. O Hospital Santo Amaro é a única opção na Cidade para quem depende do Sistema Único de Saúde (SUS). Cerca de 85% dos pacientes atendidos na unidade são SUS dependentes.

De acordo com Suman, a comissão de vereadores tem acompanhado as assembléias no hospital junto ao corpo administrativo e clínico. A comissão participará da próxima reunião que será realizada na quarta-feira, sobre a gestão na unidade. Suman afirmou que a comissão se reuniu na última sexta-feira com os secretários municipais Mauro Scazufca (Planejamento) e Benjamin Rodrigues (Saúde) para agilizar o repasse no valor de aproximadamente R$ 350 mil. Desse montante, R$ 262.500 é referente a subvenção municipal de agosto e R$ 83.593,74 é o faturamento do saldo/SUS do mês de julho.

A Secretaria de Saúde de Guarujá, informou por meio da assessoria de imprensa, que os R$ 350 mil foram repassados ontem para o hospital, já a subvenção referente ao mês de setembro não tem data prevista para ser liberada. Suman ressaltou que Guarujá tem o segundo pior teto SUS do Estado e que é necessária uma melhora na tabela SUS para a Cidade.

Porém, o vereador garantiu que todos os outros atendimentos estão normalizados. “As enfermarias, os pronto-socorros, exames e emergências. Apenas as cirurgias programadas estão suspensas por tempo indeterminado”.

Intervenção Municipal

O Hospital Santo Amaro pertence a Associação Filantrópica Santamarense e está sob intervenção da Prefeitura de Guarujá há 13 anos. O processo de intervenção encerra no dia 1 de janeiro de 2008. Já no final de 2006, a Câmara Municipal aprovou e a Prefeitura sancionou o projeto de lei 3.418, do Executivo, que baixou a subvenção do Município de R$ 525 mil para R$ 262.500.

De acordo com Suman, o restante do valor que deixou de ser repassado está sendo aplicado nas unidades de saúde da  rede pública do Município. O atual valor foi estipulado em consenso entre a Prefeitura e a Associação Santamarense, conforme o vereador.