Câncer de próstata causa 135 mortes na Região

Dados de óbitos pela doença foram registrados até o mês de outubro deste ano pelas prefeituras.

Comentar
Compartilhar
30 NOV 2019Por Caroline Souza09h27
Foto: Reprodução/Internet

Cento e trinta e cinco homens morreram por câncer de próstata este ano na Baixada Santista. A importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença são lembrados no mês que se encerra hoje. A campanha 'Novembro Azul' é utilizada como forma de incentivo para que os homens procurem o médico e realizem os exames.

Por ano, cerca de 200 casos de câncer de próstata são diagnosticados entre residentes de Santos. A doença foi a causa da morte de 46 homens em 2018, e de 38 até outubro de 2019.

De acordo com a Prefeitura de São Vicente, em 2019, 17 casos da doença foram inseridos na Rede Hebe Camargo (Oncologia-Sistema CROSS). "Em decorrência desta patologia, ocorreram 26 mortes este ano. Estes óbitos não necessariamente englobam pessoas que descobriram o câncer de próstata de janeiro passado até aqui", esclarece a Prefeitura. Em 2018, 16 casos da doença foram inseridos na Rede Hebe Camargo, e 28 homens morreram em decorrência da doença.

Em Guarujá, 159 pacientes estão em tratamento oncológico por câncer de próstata atualmente. Segundo a Secretaria de Saúde do Município, alguns casos são acompanhados por mais de um ano. Neste ano, foram 24 óbitos por câncer de próstata, e em 2018, o total foi de 31.

Segundo a diretora de Atenção Básica e Especialidades da Prefeitura, Marion Botteon, em Guarujá as ações acontecem durante o ano inteiro. "Neste mês fazemos o reforço das ações em nossa rede municipal. É preciso continuar falando de prevenção, já que o homem é mais resistente para cuidar da sua saúde".

Praia Grande não tem a quantidade de casos, pois, segundo a Prefeitura, quem faz essa gestão é a Rede Hebe Camargo, do Estado. No entanto, em 2018 foram 37 óbitos por câncer de próstata. Em 2019, até o momento, foram 23 mortes.

Cubatão contabilizou 12 casos da doença até o momento, contra cinco em 2018. O número de óbitos também aumentou, passando de seis no ano passado para dez neste ano.

Em Itanhaém, até o momento foram registrados 4 casos de câncer de próstata, e dez óbitos pela doença. Em 2018, foram 13 casos e 12 mortes.

Quatro homens morreram por câncer de próstata em Mongaguá em 2019. Em 2018, foram sete óbitos.

Bertioga registrou um caso este ano e um caso no ano passado. No entanto, não houve óbitos em decorrência da doença.

A Prefeitura de Peruíbe informou que não tem acesso aos dados, "pois as consultas de oncologia são encaminhadas e controladas pela Rede Hebe Camargo".

DOENÇA

O câncer de próstata é a segunda maior causa de morte por câncer em homens no Brasil, atrás apenas do de pele. Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura.

Segundo o Ministério da Saúde, a única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). Outros exames poderão ser solicitados se houver suspeita de câncer de próstata, como as biópsias, que retiram fragmentos da próstata para análise, guiadas pelo ultrassom transretal.

A indicação da melhor forma de tratamento vai depender de vários aspectos, tais como, estado de saúde atual, estadiamento da doença e expectativa de vida.