X
Saúde

Brasil completa 1 mês com média de mortes por Covid abaixo de 300

Também foram registrados 10.161 casos, o que levou a média para 7.781 infecções por dia, queda de 17%, também em relação a duas semanas atrás

Máscaras passaram a ser item obrigatório no vestuário caiçara / Nair Bueno/Diário do Litoral

Em 1º de novembro, o Brasil registrava, pela primeira vez desde abril de 2020, média móvel de mortes por Covid inferior a 300 vidas perdidas por dia. Trinta dias depois, agora em meio a uma nova variante que assusta o mundo, a marca permanece nessa faixa.

Nesta terça-feira (30), com as 326 mortes registradas, a média móvel de óbitos ficou em 231 vidas perdidas por dia, cenário de estabilidade (sem variações maiores do que 15%) em relação ao dado de duas semanas atrás.

Também foram registrados 10.161 casos, o que levou a média para 7.781 infecções por dia, queda de 17%, também em relação a duas semanas atrás. É a menor média desde 8 de maio de 2020, quando ela era de 7.752 casos diários.

O país assim chega a 614.754 mortes e a 22.093.195 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Os dados podem parecer positivos, mas há alguns pontos a se levar em consideração.

"Estamos comemorando ter saído de uma situação de queda de 15 aeronaves por dia para 1 por dia", diz Jamal Suleiman, especialistas do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. "Quando falamos de mais de 200 mortes por dia de uma doença imunoprevenível, passa a impressão de que algo está sob controle. Só que não.

Segundo Suleiman, não é razoável que ainda haja esse tanto de pessoas morrendo por uma doença que pode ser prevenida por vacinas, no momento amplamente disponíveis no Brasil.

O especialista afirma que de cada 10 internações no Emílio Ribas por Covid grave, 8 são de pessoas que não se vacinaram.

Suleiman diz que é possível reduzir ainda mais os números relacionados à Covid no Brasil.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Política

Caso de mulher detida após xingar Bolsonaro será investigado em inquérito, decide Justiça

A decisão acata pedido do Ministério Público Federal (MPF), que apura suposta abordagem indevida e abusiva dos policiais rodoviários federais e policiais federais

Eleições 2022

Após Moro dizer que Lula 'arregou', PT afirma que não dará holofotes a ex-juiz

Em postagem no Twitter, Moro disse que Lula "arregou" ao pedir para o partido desistir por ter "medo das verdades incômodas que iriam surgir"

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software