Boato sobre vacinação gera confusão em Guarujá

Além do surto de meningite, Guarujá precisa conter também boatos que se espalham por toda a Cidade, alarmando ainda mais a população

Comentar
Compartilhar
16 FEV 201300h07

Na manhã de ontem, feriado do Dia do Padroeiro do Município, Santo Amaro, mães, que residem em bairros diversos, levaram seus filhos até a Praça 14 Bis, acreditando que a Secretaria Municipal de Saúde estaria aplicando gratuitamente vacina contra a meningite.

Porém, nenhuma campanha estava sendo realizada no local. O boato foi desmentido pelo secretário de Saúde de Guarujá, Benjamin Rodriguez Lopes, por telefone.

Segundo o secretário, a única campanha de vacinação realizada na Cidade, foi o mutirão de segunda-feira, quando foram vacinadas 4.600 pessoas de 2 meses a 25 anos de idade, na Favela Chaparral, na Vila Áurea, em Vicente de Carvalho. Era nessa favela que morava Pedro Lucas, de 6 anos, que morreu dias após contrair meningite.

Preocupados com o surto da doença na Cidade, o grupo de mães que estava na Praça 14 Bis, realizou uma manifestação em frente ao Hospital de Vicente de Carvalho, na inauguração do Centro de Urgência e Emergência, por volta das 10 horas, reivindicando doses da vacina.

Ainda, segundo Benjamin, não há novas campanhas programadas. O secretário informou que das nove mil vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde, mil serão aplicadas em moradores já cadastrados da Chaparral que não foram encontrados, até sexta-feira. Outras mil vacinas estão reservadas às crianças com até 1 ano de idade, da comunidade Chaparral, que receberão a segunda dose daqui a 60 dias, em postos de saúde. As demais vacinas ficarão guardadas para casos de necessidade.

“Passaram na porta da casa da gente avisando que ia ter vacina hoje aqui na Praça 14 Bis”, disse a dona de casa Daniela Rosa Cortez que levou a filha de 11 anos para tomar vacina na Praça 14 Bis. Daniela mora no Pae Cará.

Joelma Xavier da Silva, que mora no Jardim Três Marias ( Enseada), também ficou sabendo da vacinação por uma vizinha e aguardava por informações na Praça, com o filho de 1 ano no colo. “A gente não tem condições de pagar a vacina. Onde a gente vai arrumar R$ 130 para vacinar cada criança?“.

“Foi um boato”, disse enfática a dona de casa Maria de Lourdes Leutz , também moradora do Pae Cará, que estava com os dois netos. Já a dona de casa Vanilda Araújo da Silva se abalou da Vila Edna com a neta de 2 anos até a Praça 14 Bis. “Ouvi que ia ter vacina gratuita aqui numa rádio evangélica. Por isso eu vim”, disse ela perguntando à reportagem se teria ou não a vacinação no local.

Em nota, a Prefeitura “esclarece que não há motivos para a população ficar alarmada, pois não existe epidemia de meningite na Cidade. A vacinação na comunidade Chaparral, onde surgiram alguns casos, serviu para criar uma barreira epidemiológica no local.

A Prefeitura de Guarujá informa que NÃO está efetuando cadastros pelo Município, nem distribuindo avisos para que os munícipes se vacinem nos postos de saúde mais próximos de sua residência.

Mas, infelizmente, algumas pessoas mal intencionadas, com o objetivo de criar um clima de confusão na Cidade, estão distribuindo filipetas, comunicando dia, local e horário de uma suposta vacinação. ESSES AVISOS SÃO FALSOS! Essas mesmas pessoas espalharam boato, na manhã desta terça, informando que haveria vacinação na Praça 14 Bis, o que provocou a ida de vários munícipes ao local e, posteriormente, ao Pronto-Socorro de Vicente de Carvalho.

A Prefeitura de Guarujá está tomando as devidas providências, para que tal atitude não prejudique a população e lamenta que algumas pessoas usem algo tão importante, como a saúde pública, como instrumento para fazer política de baixo nível”.