Banco de Leite precisa de doadoras

O Banco de Leite tem 145 doadoras cadastradas, mas na prática, apenas seis mães doam com frequência

Comentar
Compartilhar
03 MAR 201300h29

O Banco de Leite do Hospital Guilherme Álvaro, necessita de doações. A unidade recolhe em média 2 litros de leite materno por semana, o que não supre nem a demanda de bebês internados no hospital.

Segundo a pediatra, Laís Graci dos Santos Bueno, que é uma das diretoras do Centro de Lactação e Banco de Leite do hospital, o ideal seria que o banco dispusesse de 5 litros por semana para atender só os bebês internados. “A quantidade armazenada em nosso banco é muito baixa e temos aqui bebês doentes que precisam do leite. São  prematuros, internados na UTI ou com doenças graves”.

O Banco de Leite tem 145 doadoras cadastradas, mas na prática, apenas seis mães doam com frequência. A coleta é feita na própria unidade, mas Laís esclarece que a captação pode ser feita em casa. “O leite pode ser guardado na geladeira por até 24 horas ou por 15 dias no congelador ou no freezer até ser doado ao Banco de Leite. O recipiente que pode ser um pote de vidro de maionese deve ser higienizado e desinfetado antes. O recipiente não pode ser de plástico”.

Laís afirma que a primeira doação deve ser feita no Banco porque no local a doadora recebe orientações e um kit para colher o leite em casa. “Para doar a mãe precisa ser saudável, estar amamentando e doar o excedente”, explicou.

Após captado no Banco de Leite, o leite é pasteurizado e separado de acordo com a sua classificação. “O leite é classificado como colostro (produzido na primeira semana e que possui mais anticorpos que calorias), leite de transição (produzido pela mãe a partir da segunda semana) e o leite maduro (que a partir da terceira semana possui mais calorias que anticorpos).

O leite materno alimenta e protege o bebê de uma série de doenças, nos primeiros meses de vida. A pediatra afirma que o bebê deve ser alimentado com leite materno, no mínimo, até os seis meses de idade e no máximo, até os dois anos.

Em toda a Baixada Santista existe apenas mais um banco de leite, que fica em Peruíbe, segundo Laís. Para ampliar a captação de leite materno, o vereador da Câmara de Santos, Antonio Carlos Banha Joaquim, pede à Prefeitura, por meio de requerimento, que viabilize estudos para providenciar cartilhas de orientação às mães sobre a doação e propõe ainda que as Unidades Básicas de Saúde do Município sejam adaptadas para se tornarem postos de coleta de leite materno.

“Não vamos construir um núcleo ou um hospital para isso, basta equipar uma sala em cada policlínica ou em algumas unidades para a coleta. Em termos de custo isso não é inviável para a Prefeitura”.

Interessadas em doar leite materno podem fazer o cadastro no Banco de Leite do Hospital Guilherme Álvaro, à Rua Oswaldo Cruz, 197, no Boqueirão, das 8 às 17 horas. Outras informações pelo telefone 3202-1323.