APAE-SP capacita profissionais sobre Teste do Pezinho

A palestrante elogiou o Irmã Dulce, que não permite que os recém-nascidos deixem a Maternidade sem que tenham passado pelo teste.

Comentar
Compartilhar
08 DEZ 201222h05

Profissionais de enfermagem do Hospital Municipal Irmã Dulce, de Praia Grande, participaram de curso de capacitação da APAE de São Paulo sobre o Teste do Pezinho, na última quinta-feira (6). O teste é fundamental na detecção precoce de doenças congênitas, permitindo o tratamento de início e evitando seqüelas.  

“O preenchimento correto da ficha e a coleta adequada podem salvar uma vida”, destacou a enfermeira Gabriella Almeida, que fez a apresentação. Participaram enfermeiros e técnicos que atuam na Maternidade, Pediatria e Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) Neonatal e Pediátrica, bem como oficiais de ala.

A palestrante elogiou o Irmã Dulce, que não permite que os recém-nascidos deixem a Maternidade sem que tenham passado pelo teste (além dos outros dois testes de triagem, o da Orelhinha e o do Olhinho).

“Aqui existe a preocupação de ‘amarrar’ o teste à alta médica, impedindo que a criança fique perdida na rede”, acrescentou, citando que, quando o teste não é feito na maternidade, a mãe demora a retornar e o resultado fica prejudicado. “É muito importante que o teste seja feito do terceiro ao quinto dia de vida, ainda na primeira semana de nascimento.”

Rápido, o Teste do Pezinho leva menos que cinco minutos e consiste no preenchimento de três círculos de um papel especial com amostras de sangue do calcanhar do bebê para análise laboratorial.

Apesar da aparente simplicidade, o exame requer cuidados na coleta, conservação e envio para que o resultado não seja alterado, por isso são constantes os treinamentos promovidos no hospital e ministrados pela APAE-SP. O preenchimento da ficha também deve ser exato em todos os campos, de forma legível.

Além de capacitar novos funcionários, o treinamento serve como atualização ao apresentar novidades, como, por exemplo, alterações na ficha e o uso de um dispositivo especial, mais seguro, fornecido pela APAE-SP para a punção do pé da criança.

O Teste do Pezinho leva menos que cinco minutos (Foto: Divulgação)

Colunas

Contraponto