X

Saúde

Anvisa emite alerta sobre remédios falsificados para esclerose múltipla e diabetes

Suspeite se a caixa apresentar informações em outro idioma e dados diferentes dos encontrados na embalagem

Folhapress

Publicado em 03/11/2023 às 19:15

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Quem identificar unidades de medicamentos com suspeita de falsificação deve entrar em contato com as empresas detentoras do registro dos produtos para verificar a autenticidade / Pixabay/Pexels

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu um alerta nesta sexta (3) a respeito da circulação de lotes falsificados do Tysabri (natalizumabe), para tratamento de esclerose múltipla, e Ozempic (semaglutida), indicado a adultos com diabetes tipo 2 —este último noticiado pela Folha em 25 de outubro.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Em relação ao Tysabri, a Biogen Brasil, que detém o registro da medicação, afirmou que o lote FF00336, válido até 01/2026, foi produzido apenas para fins institucionais, e não comerciais.

O lote referido possui características divergentes das constantes no medicamento original —erros de ortografia do endereço da empresa responsável pela importação e distribuição do produto no país, diferença na cor da faixa laranja e azul da embalagem, formatação das letras e ausência da inscrição em braile.

Quanto ao Ozempic, a farmacêutica Novo Nordisk não reconhece o lote LP6F832 —válido até 11/2025— como original, tratando-se assim de falsificação.

O primeiro registro de fraude do medicamento ocorreu em junho. Na época, a agência reportou que foi alertada pela fabricante sobre a identificação de unidades falsificadas no mercado.

Segundo a farmacêutica, unidades do lote MP5C960 apresentavam em suas embalagens uma concentração diferente da original. O idioma (espanhol) também não condizia com o do lote verdadeiro.

O caso foi compartilhado como um alerta às agências sanitárias internacionais e, em agosto, o México reportou falsificações com o mesmo lote.

As resoluções que determinam a apreensão e proibição de comercialização, distribuição e uso do Ozempic e do Tysabri foram publicadas no Diário Oficial da União.

O QUE FAZER

Quem identificar unidades de medicamentos com suspeita de falsificação deve entrar em contato com as empresas detentoras do registro dos produtos para verificar a autenticidade. Nunca use a medicação.

Também é recomendado comunicar o fato à Anvisa, pelo sistema Notivisa (no caso de profissional de saúde) ou por meio do sistema da Ouvidoria, utilizando a plataforma FalaBR (válido para pacientes).

Conforme orientação da agência, não use sites e canais não licenciados pela Anvisa para comercialização de medicamentos. Suspeite se a caixa apresentar informações em outro idioma e dados diferentes dos encontrados na embalagem.

Por fim, desconfie se o valor for muito diferente daquele presente na lista de preços da CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos). A relação é divulgada no site da Anvisa e atualizada mensalmente.

Segundo Luciana Canetto, vice-presidente do CRF (Conselho Regional de Farmácia) de SP, medicamentos para emagrecer, tratar câncer e disfunção erétil, por exemplo, estão entre os maiores alvos de falsificação devido ao alto preço e grande procura.

CUIDADOS AO COMPRAR MEDICAMENTOS

O CRF orienta que os remédios sejam adquiridos em locais autorizados, como farmácias, drogarias, distribuidores e fabricantes do setor, e não de atravessadores.

"Precisa ter licença sanitária, autorização de funcionamento da Anvisa e certidão de regularidade, que é um documento emitido pelo Conselho Regional de Farmácia", afirma Canetto.

"Verifique sempre a embalagem. Nem sempre a falsificação é bem feita. Muitas vezes contém rasuras no lote ou o lote está um pouco apagado, a validade meio alterada. Verifique se o número do lote da embalagem interna, que é do blister, corresponde ao número do lote e validade da caixa externa, porque às vezes a falsificação não consegue trabalhar com as duas embalagens de forma coerente", acrescenta a vice-presidente do órgão.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

'Há sobras de caixa para investirmos em Cultura', diz Presidente da Petrobrás

Ele ainda comentou, que desde o inicio do governo Lula estão sendo pensado projetos que já somam R$ 150 milhões investidos pelo patrocínio da Petrobras

Nacional

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Com 40% de perdas, Roraima lidera ranking dos que mais desmataram

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter