Alckmin anuncia R$ 90 milhões para a Saúde na Baixada

Baixada Santista contará com o Instituto do Câncer, Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Instituto Adolfo Lutz e mais um AME, mais 215 leitos SUS e leitos de UTI

Comentar
Compartilhar
11 MAR 201115h54

O governador Geraldo Alckmin anunciou ontem, em Santos, o primeiro pacote de investimentos da Agência da Saúde na Baixada Santista. São R$ 90 milhões. O pacote foi anunciado pelo governador no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Santos, localizado no bairro Aparecida, por volta das 12h30. Além de novos hospitais, a Região Metropolitana contará com mais 215 leitos para atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de alta complexidade e com o Programa Pró-Santas Casas. A falta de leitos de alta complexidade é o maior problema da saúde na Baixada, segundo Alckmin.
   
A Agência da Saúde, formada por representantes do governo do Estado e das prefeituras da Baixada, é um projeto piloto da Secretaria de Estado da Saúde para o desenvolvimento do SUS.

“Os nove municípios serão beneficiados porque nossa visão é de um Sistema Regional de Saúde. Então quando a gente traz o Instituto do Câncer para a Baixada, a localização física será em Santos, no Hospital Guilherme Álvaro, mas ele vai atender os nove municípios. Quando nós trazemos o Hospital Emílio Ribas e o Instituto Adolfo Lutz para o Guarujá, ele vai atender os nove municípios”.

“Vamos ter investimentos nos nove municípios. Prontos-socorros, UTIs, 215 leitos de alta complexidade a mais, AME, UBS, rede Lucy Montoro, ampliação de vagas e ampliação de atendimentos de urgência”, anunciou Alckmin. Todos os serviços serão implantados até o final deste ano.

Com os investimentos anunciados, o Hospital Estadual Guilherme Álvaro, de Santos, abrigará o Centro de Referência do Câncer do Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp II). Os pacientes do Icesp II não terão mais que se deslocar até São Paulo para tratamento.

Em Guarujá serão instalados o Instituto de Infectologia Emílio Ribas II e o Instituto Adolfo Lutz. Ambos funcionarão no antigo Hospital Ana Parteira, no Distrito de Vicente de Carvalho. O Hospital Emílio Ribas II disponibilizará 54 leitos para atendimento de doenças infecciosas e parasitárias. Já o Adolfo Lutz oferecerá exames complementares aos já disponíveis no laboratório de Santos.

Em Peruíbe será implantado o Ambulatório Médico de Especialidades (AME), o quarto da Baixada Santista. Além disso, o pronto-socorro será reformado e transformado em um hospital de pequeno porte com 75 leitos.

Em Mongaguá serão criados 19 leitos de clínica médica para adultos e mais 19 para ala pediátrica no Hospital Municipal Dr. Adoniran. Em Itanhaém, o Hospital Regional será ampliado e o número de leitos dobrará de 70 para 140. Já Cubatão será contemplada com uma Unidade Básica de Saúde (UBS). 

O Hospital Municipal de Bertioga receberá investimentos para ampliar os leitos SUS de 35 para 80 e ainda para compra de equipamentos. Alckmin disse também que o Estado comprará leitos de UTI no Hospital Irmã Dulce, de Praia Grande.  

Para compensar o déficit com a tabela SUS dos hospitais que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde, como as Santas Casas, o governo estadual está implantando o programa Pró-Santas Casas que contemplará 121 instituições em todo o Estado. “A Santa Casa de Santos e o Hospital Santo Amaro de Guarujá devem receber neste primeiro semestre em torno de R$ 2 milhões (precisamente R$ 1,9 milhão), as duas”. 

Ajuda aos japoneses

O governador declarou ainda sua solidariedade às vítimas do terremoto no Japão e prometeu ajuda. “Quero transmitir a nossa solidariedade a toda a população japonesa pela tragédia ocorrida no Japão com terremoto e tsunami. Nós temos a maior comunidade japonesa do Brasil no Estado de São Paulo. O coronel Gervásio, que é chefe da Casa Militar que responde pela Defesa Civil, e o Dr. Rodrigo Tavares, da Assessoria Internacional, vão verificar como é que a gente pode ajudar, inclusive, os brasileiros que estão no Japão”.