São Vicente lidera colisões contra postes na Baixada Santista

Levantamento feito pela companhia mostrou que, em cinco meses, a cidade registrou 33 batidas deste tipo

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2020Por Vanessa Pimentel09h20
Em todas as cidades, as colisões foram as responsáveis por 198 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia em 2019Foto: RODRIGO MONTALDI/ARQUIVO DIÁRIO DO LITORAL

No mês da campanha de segurança no trânsito, o Maio Amarelo, um levantamento realizado na Baixada Santista pela CPFL Piratininga mostrou que São Vicente contabilizou 33 colisões em postes, do início deste ano até o último dia 10 de maio. A cidade lidera o ranking de acidentes deste tipo até o momento.

Em seguida aparece Cubatão, com 27 batidas; depois Santos, com 24; Praia Grande, com 11 e Guarujá, com dois. No total, a região soma 97 ocorrências.

Durante o ano passado, em toda a Baixada, foram contabilizadas 275 colisões com postes, uma média de cinco por semana. Santos ficou em primeiro lugar, com 89 acidentes; São Vicente em segundo, com 75 ocorrências; Cubatão foi a terceira da lista, com 57 acidentes; Praia Grande, 34 e Guarujá, 20 batidas.

Em todas as cidades, as colisões foram as responsáveis por 198 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia em 2019.

"Os acidentes contra postes constituem umas das principais causas de ocorrências na rede elétrica do grupo", afirma o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da CPFL Energia, Marcos Vitor Lopes.

PREJUÍZO.
Além do risco à segurança, os responsáveis pelos acidentes contra postes podem amargar prejuízos financeiros. Nos casos em que a distribuidora identifica o culpado legal, este deve arcar com os danos causados ao patrimônio da concessionária. A substituição de um poste pode variar, dependendo do modelo, entre R$ 2 mil e R$ 3 mil.

Essa diferença leva em consideração os equipamentos instalados tanto pela distribuidora de energia como pelas empresas que ocupam a estrutura. Por exemplo, um poste com iluminação pública simples tem menor valor que aquele que sustenta um transformador de energia e equipamentos de telecomunicação.

OUTRAS CIDADES.
De acordo com o estudo da distribuidora, que atende 1,7 milhões de consumidores em 27 municípios do interior paulista e Baixada Santista, no acumulado de 2020, foram contabilizados um total de 599 acidentes envolvendo postes, uma média de cinco registros diários.

No ano passado, Jundiaí liderou o ranking totalizando 342 ocorrências, uma redução 4,4% frente a 2018. Em segundo lugar ficou Sorocaba, com 206 casos, uma queda de 19% em relação ao ano anterior, e, na sequência, Indaiatuba, com 156 ocorrências, registrando alta de 13% nos acidentes.

Essas colisões registradas em 2019 resultaram em 1.170 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia e geraram, em média, 3,5 horas de serviços da companhia no trabalho de substituição de poste, reconstrução de rede de distribuição e restabelecimento da energia. Dependendo da gravidade do acidente, as equipes de campo precisam também aguardar a realização dos trabalhos da perícia policial para poder então iniciar o trabalho de manutenção.

CAMPANHA.
Considerando o impacto do assunto para a população, seja na segurança do trânsito, seja na qualidade do fornecimento de energia, a CPFL, por meio da campanha Guardião da Vida, incentiva a discussão sobre o tema, a fim de promover uma reflexão sobre as atitudes no trânsito que poderiam ser evitadas. (Vanessa Pimentel)