VLI DESKTOP TOPO
SABESP AGOSTO MOB

Rosana Valle pede ao Ministério da Saúde farmácia popular na Área Continental de SV

Vale do Ribeira também precisa. Governo, desde 2014, não credencia farmácias populares no País

Comentar
Compartilhar
25 JUN 2020Por Da Reportagem15h47
Rosana Valle recebeu a denúncia de moradores da Área Continental e comprovou que não existe mesmo farmácia popular no continente vicentinoFoto: DIVULGAÇÃO

A deputada federal Rosana Valle (PSB) cobra do Ministério da Saúde a volta dos credenciamentos para novas farmácias populares no País. A habilitação de farmácias populares está paralisada desde 2014, segundo informou o setor responsável do ministério. Com isso, milhares de brasileiros estão com dificuldades de comprar medicamentos a preços baixos, em plena pandemia do novo coronavírus.

É o que acontece na Área Continental de São Vicente, onde os 150 mil moradores são obrigados a se deslocar para a parte insular ou a outras cidades porque não há uma única farmácia popular naquela região.

Rosana Valle recebeu a denúncia de moradores da Área Continental e comprovou que não existe mesmo farmácia popular no continente vicentino. Ou seja, como a Ponte dos Barreiros ainda não foi reaberta ao trânsito, os 150 mil moradores são obrigados ainda a atravessar a ponte a pé para comprar remédios a preços mais baixos na ilha, gastando tempo e dinheiro.

Antes havia programa do Governo Federal que viabilizava a abertura de farmácias populares. Uma chegou a funcionar na Avenida Ulisses Guimarães, no Jardim Rio Branco, mas depois fechou.

 O Ministério da Saúde passou então a credenciar farmácias privadas a venderem remédios populares dentro de um programa específico. Mas, desde 2014, novos credenciamentos foram suspensos e, hoje, não há farmácia nesses moldes na Área Continental. 

A deputada reclama que faltam mais farmácias populares também no Vale do Ribeira. Rosana Valle lembra que não há uma credenciada em Iporanga: “Por isso, a importância da retomada dos credenciamentos, principalmente nesta época de pandemia, onde todos devem se deslocar menos e precisam de medicamentos”.   

Consultados, donos de farmácias demonstraram interesse em vender remédios a preços baixos na Área Continental de São Vicente e no Vale do Ribeira, mas informaram não conseguir autorização para isso.

A deputada enviou ofício ao Ministério da Saúde cobrando explicações pela suspensão dos novos credenciamentos. 

A parlamentar reivindica o rápido credenciamento de uma farmácia popular para a Área Continental de São Vicente e a retomada das habilitações em todo o País. “Como pode, em plena pandemia, na maior crise de saúde da história do País, estes credenciamentos continuarem interrompidos? Solicito ao Ministério da Saúde e ao Governo Federal providências urgentes nesse sentido”, cobrou a parlamentar.