Pelotão Ambiental de São Vicente resgata tartarugas

Répteis foram tratados e levados para instituto em São Sebastião; equipe também apreendeu material de pesca.

Comentar
Compartilhar
15 NOV 2019Por Da Reportagem12h28
Tartarugas haviam sido resgatadas três semanas atrás e ficaram sob cuidados especiais até a soltura.Foto: DIVULGAÇÃO

A equipe do Pelotão Ambiental de São Vicente, corporação ligada à Guarda Civil Municipal (GCM), levou duas tartarugas tigre-d'água de orelha vermelha para o Instituto Animalia, localizado na Praia de São Francisco, em São Sebastião. Os répteis haviam sido resgatados três semanas atrás e ficaram sob cuidados especiais até a definição de um local para soltura.

No retorno a São Vicente, ao passar por uma lagoa, localizada ao lado da Rodovia Dr. Manoel Hipólito do Rêgo, no km 227, em Bertioga, a equipe observou que havia duas redes de espera fechando as saídas da lagoa. Diante da situação, solicitou apoio à Guarda Ambiental de Bertioga, para que enviasse uma embarcação para retirada do material de pesca.

De acordo com o Pelotão, com a chegada da Guarda Ambiental de Bertioga, foram realizados os procedimentos para a retirada das redes. No entanto, em uma vistoria mais minuciosa pela margem da lagoa, escondida em meio à vegetação, foi encontrada uma embarcação, tipo chata, com mais quatro redes com malhas inferiores a 5 mm, considerada predatória e proibida por lei. Todo o material foi apreendido pela Guarda Ambiental de Bertioga e encaminhado a sua sede.

AVES

Outras duas ações promovidas pelo Pelotão Ambiental contribuiram para a preservação de duas aves. Em um dos casos, a equipe foi solicitada para ajudar no encaminhamento de um gavião-asa-de-telha juvenil para a AIUKA-Praia Grande. No local, a ave passará por avaliação clínica, será vermifugada e, posteriormente, será solta em seu habitat natural.

No segundo caso, o Pelotão Ambiental vicentino foi acionado pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo - Coordenadoria e Fiscalização da Biodiversidade (CFB), para resgatar um urubu em Santos. Por estar debilitada, a ave foi encaminhada para o CEPTAS-CUBATÃO, onde ficou para avaliação clínica e posterior soltura.