VLI DESKTOP TOPO
SABESP AGOSTO MOB

'O medo de morrer sem poder dar um abraço no meu filho foi grande'

Em quarentena por causa da profissão, enfermeira Cintia dos Santos também contraiu Covid-19 e passou mais de um mês sem ver a família

Comentar
Compartilhar
27 JUL 2020Por Da Reportagem12h32
Após a luta com desfecho feliz, a enfermeira pode finalmente reencontrar o filhoFoto: DIVULGAÇÃO

O medo de estar entre os milhares de brasileiros que morreram devido à Covid-19 foi superado por Cintia Maria dos Santos, enfermeira no Hospital Municipal de São Vicente. Foram sete dias internada, além da luta contra complicações no pulmão.

Apesar de não ter nenhuma comorbidade que a colocasse no quadro de risco ou no grupo com maior predisposição ao desenvolvimento de sintomas mais graves, a enfermeira teve tosse seca, dor na garganta e febre. Com a acentuação das enfermidades, Cintia precisou ser hospitalizada. "Fiquei bem debilitada, uma semana após o contágio as coisas pioraram. Não conseguia comer por conta da tosse. Perdi o olfato e paladar, além da falta de ar. Foi um milagre eu não precisar ser intubada", lembra.

Trabalhar na linha de frente numa pandemia requer muita dedicação e também abdicação, relata "Por conta da exposição de trabalhar num local com contato direto com contaminados, me isolei dos meus familiares, inclusive do meu filho Caio, de 9 anos. Fiquei sozinha no meu apartamento e ele ficou com os meus pais. Nós víamos por chamada de vídeo e já era muito difícil, depois que eu me contaminei foi pior ainda".

Em meio aos sintomas, incertezas e agonia, o pior sentimento foi o de solidão. "Com certeza, a parte mais triste da Covid-19 é o isolamento. O medo de morrer sem poder dar um último abraço no meu filho foi grande. Você fica completamente sozinha, sem visitas e sem saber se vai superar a doença. É muito complicado passar por tudo isso".  
         
Cintia conta que foram 14 dias de luta conta a doença e mesmo depoisda alta hospitalar, novas complicações surgiram. "Eu tive pneumonia pós-coronavírus, o que aspirou ainda mais cuidados", explica. 

Após a luta com desfecho feliz, a enfermeira pode finalmente reencontrar o filho. "Quando eu vi o Caio, chorei de emoção. Minha vontade era de apertar, beijar e sentir bem perto de mim. Mas, mesmo depois da alta e da certeza de não estar contaminada, continuou o medo de transmitir o vírus", revela.      
          
Felizmente, a profissional de saúde faz parte das histórias de superação, mas é importante lembrar que nem todas possuem o mesmo desfecho.  "Usem máscaras, sigam as orientações de higienização e saiam de casa apenas quando for indispensável. Isso tudo é muito sério. Pensem nos profissionais que, assim como eu, trabalham na linha de frente diariamente. Também temos família", orienta Cintia.