X

São Vicente

'AMEI Rei Pelé é um grande passo para a Educação de São Vicente', afirma Kayo Amado

Chefe da Administração Municipal apresentou a escola à Reportagem do Diário do Litoral e recordou suas principais memórias envolvendo o Atleta do Século

Jeferson Marques

Publicado em 11/02/2023 às 07:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Nivea Marsili, secretária de Educação, o prefeito Kayo Amado e Regina Rizzo, diretoria da unidade / Nair Bueno/DL

Final da manhã, por volta de 11h. Muita movimentação na entrada do Ambiente Municipal de Educação Integral (AMEI) Rei Pelé, a primeira escola em tempo integral da história de São Vicente e a primeira do país a homenagear o maior do futebol. Crianças entram e saem, pais e responsáveis circulam com papéis nas mãos e funcionários, sorridentes, cumprimentam todos que cruzam os portões brancos. Aquele era um grande dia: o dia de conversar e de entregar todo material escolar dos pequenos.

A entrar na unidade o cheiro de tinta fresca; de coisas novas. Paredes brancas com faixas amarelas chamam atenção pelo brilho e nitidez de suas cores. Mesas e cadeiras distribuídas pelo pátio com muito espaço para que as centenas de alunos possam fazer as suas refeições. Afinal de contas, ficarão no lugar o dia todo.

Dono de um coração branco e preto, o prefeito recordou suas principais memórias envolvendo Pelé e pontuou que, embora não tenha conhecido o Rei, quer expandir seu legado para as crianças da Cidade. 

“No velório do Rei fiquei minutos lembrando as histórias que meu avô contava. Não consigo nem explicar o sentimento de entregar algo desse tamanho, levando o nome do maior de todos, fazendo jus a um dos seus objetivos. Quando ele fez o milésimo gol, disse: ‘cuidem das nossas criancinhas’. Não tem jeito melhor de fazer isso senão com ensino de qualidade, boa alimentação e esporte. Tudo isso vai ter na AMEI Rei Pelé. É muito mais do que estampar as imagens do Rei, é eternizar o seu legado”, disse Amado.

Caminhamos até a secretaria onde, assim como outros ambientes do equipamento, tinham desenhos bem coloridos em parte de sua parede, com personagens e outras figuras que transmitiam felicidade. Em uma mesa de madeira, perto do balcão de atendimento, dezenas de fichas eram colocadas umas sobre as outras. "Isso aqui são os pedidos de matrícula ou transferência para essa unidade", diz a funcionária de calça jeans e blusa branca, enquanto acrescenta mais uma solicitação.

Subimos até o 1º andar de escada, mas o elevador funcionava a todo o instante. Amplo e com uma foto enorme grafitada do Rei Pélé na porta (pulando e dando um soco no ar enquanto comemorava mais um gol pelo Santos), ela é imponente e chama a atenção. "Contar a história da escola junto com a história do Pelé é manter viva a memória dentro dos corações inclusive dos mais novinhos", diz a professora que usava óculo.

https://www.youtube.com/watch?v=XhFrsux1f40

O prefeito da cidade, Kayo Amado, andava e conversava com crianças e adultos. "Parabéns, está tudo muito lindo, um sonho", diz a mãe de um deles antes de entrar no elevador. "Está feliz com seu kit de material escolar"? Pergunta Amado a uma menina de calça rosa e chinelo branco que descia a escada do 2º andar. "Sim, muito. Tem bastante coisa aqui dentro", enfatiza ela, um pouco tímida, segurando uma pasta amarela como se fosse sua primeira boneca da infância.

Aliás, São Vicente, naquele dia, foi tomada por uma onda de crianças segurando pastas amarelas pelos quatro cantos da cidade. Dentro delas o início da construção dos seus sonhos através das canetas, lápis, borracha, cola, cadernos, lápis de cor, apontador e régua. Ou alguém discorda de que não existe transformação sem a educação?

"É um grande passo para a nossa Educação. Estou em um misto de sentimentos positivos e, digo, que essa escola é apenas o começo da grande transformação que já iniciamos em São Vicente. Até o meio do ano serão sete escolas com reformas de alto nível entregues. E não vamos parar por aí", acrescenta Nivea Marsili, secretária de Educação.

“Que presente lindo nossas crianças estão recebendo hoje. Uma escola à altura do nome que carrega e, sobretudo, à altura dos que os pequenos merecem. Fazer parte disso é um sonho. É ver a mudança acontecer. Estou muito, muito feliz. São 22 anos como servidora da cidade e nunca vi a Educação tão bem assistida como agora", comemorou Regina Davino Rizzo, diretoria da unidade.

A conversa continuou dentro de uma das salas de aula. Lá fora, 33º. Lá dentro, cerca de 25º, graças ao ar condicionado. Todas as 10 salas, aliás, são climatizadas e com cortinas nas janelas. Pode parecer bobagem, mas isso faz muita diferença em uma escola de funcionamento integral, onde o sol muda de posição após as 12h.

"O que estamos vendo aqui é uma escola fantástica, de tão linda. Existe algo sendo feito na Educação que precisa ser dito. São equipamentos multimídia e demais elementos que não chegavam nas unidades de ensino da cidade, e que, agora, chegam. São 43 mil kits escolares entregues para todas a crianças na nossa rede. Por dois anos consecutivos. É o que sempre digo: estamos trabalhando o tempo todo para deixar a nossa cidade cada vez melhor", reforça Amado.

A AMEI Rei Pelé já está atendendo 640 alunos do Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano), das 7h às 17h.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Geopolítica em choque! Presidente do Irã morre em acidente de helicóptero

Além do líder político, outras oito pessoas vieram a óbito por conta da queda

Mongaguá

Suspeito de participação no 'Tribunal do Crime' é preso em Mongaguá

Homem teria ligação com o Primeiro Comando da Capital

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter