Deputada quer retomar projeto para combater enchentes em São Vicente

Rosana Valle (PSB) quer retomar o processo de instalação de novas comportas nos canais de São Vicente que deságuam no estuário

Comentar
Compartilhar
15 SET 2020Por Da Reportagem13h10
A parlamentar recebeu apelos nesse sentido de moradores da Rua Japão, do Parque Bitaru e da Vila MargaridaFoto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

A deputada federal Rosana Valle (PSB) quer retomar o processo de instalação de novas comportas nos canais de São Vicente que deságuam no estuário.

A parlamentar recebeu apelos nesse sentido de moradores da Rua Japão, do Parque Bitaru e da Vila Margarida, que vêm sofrendo com alagamentos mesmo quando não chove, por conta das marés altas.

Na Rua Japão, o canal que passa entre a via e os manguezais, costuma transbordar, afetando as casas e também o campo do Clube Guamium, frequentado por centenas de pessoas aos finais de semana.

As antigas comportas que existiam no Rio da Vó já não funcionam mais e tiveram peças furtadas, deixando de conter as águas do mar nas marés altas, o que afeta todo o Parque Bitaru. O problema se repete no Saquaré e Canal do Meio, na Vila Margarida.

Há anos a Prefeitura de São Vicente tenta obter recursos federais para instalar comportas nos 17 canais da Cidade. Há o Convênio 763210/2011, ainda vigente, que prevê a modernização de comportas e implantação de sistema de bombeamento dos canais na área insular do município.

O processo prevê um valor global de R$ 13,5 milhões para as obras, sendo que R$ 12 milhões seriam repassados pelo Governo Federal. Em março do ano passado o prefeito Pedro Gouvêa e a deputada pediram a retomada do processo ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que não definiu prazos para execução.

O projeto trata da instalação de comportas na Avenida Brasil, Canal do Meio, Saquaré e Rio D'Avó.

“Temos que retomar este pedido, pois o convênio vence em novembro e as comportas são essenciais para combater os alagamentos em São Vicente”, disse Rosana Valle, que enviou ofício ao MDR com o objetivo de marcar uma audiência com as autoridades no sentido de buscar o andamento do processo e atender assim os pontos mais atingidos pelos alagamentos na Cidade.