Da fome em Portugal ao sucesso em SV; conheça a história dos irmãos Ulisses e Celestino

Irmãos estão à frente de um dos principais comércios da cidade e são conhecidos pelas oportunidades

Comentar
Compartilhar
26 JUN 2017Por Da Reportagem12h11

*Por Daniela Origuela

As ruas do Centro de São Vicente ainda eram de terra quando o jovem português Ulisses Alves Domingues, então com 15 anos, chegou à primeira vila do Brasil. O ano era 1961 quando ele deixou em Portugal o pai, a mãe, cinco irmãos e a fome para trabalhar na mercearia de um tio distante no Brasil. Mais de meio século depois daquela viagem de 10 dias de navio e o sonho de uma vida melhor, o rapaz, que tinha apenas o quarto ano do primário, se tornou um importante empresário e dono de um dos principais supermercados do município, o ‘Ao Fiel Barateiro’.

“A miséria era muito grande em Portugal, que ficou arrasada depois da guerra. Minha mãe dividia uma lata de sardinha para nós, isso quando tinha. A gente não tinha muita opção naquela época. Tinha de trabalhar ou estudar. Eu tive que trabalhar bem cedo na lavoura para ajudar o meu pai. A gente não tinha muita coisa, mas éramos muito felizes”, disse Ulisses.

Preocupado com o futuro do filho mais velho, o pai de Ulisses enviou cartas para parentes em outros países, na esperança que alguém pudesse lhe ajudar. “Foi para um que morava na África e outra para um tio do meu tio que morava no Brasil. O do Brasil respondeu e disse que eu poderia vir para trabalhar”, relembrou o empresário.

Com uma carta na mão, Ulisses embarcou rumo ao Brasil de navio. Até então nunca havia saído da aldeia onde nasceu e foi criado. Foi recebido por esse tio no Porto de Santos e com ele foi morar no Centro de São Vicente, onde imediatamente começou a trabalhar na mercearia da família, que ficava na esquina das ruas XV de Novembro e João Ramalho. “Não tinha salário. Tinha comida e casa para dormir. Trabalhava dia e noite. Fazia de tudo. Empacotava, entregava compra de bicicleta. Naquela época só tinha o bonde que passava na Rua Frei Gaspar. O trem carregava os bois que iam lá para o Matadouro. A maioria das lojas que tinha no Centro era de portugueses”, disse.

Sete anos depois, o tio de Ulisses, como prometido, deu entrada em um negócio para o sobrinho, em uma loja no número 488 da Rua XV de Novembro. “Era uma mercearia também. A gente vendia creolina, sabão em pedra, sapólio, banha de lata e comida a granel. Foi ali que comecei o meu negócio”, relembrou Ulisses, que casou em 1967, e passou a trabalhar com a esposa.

Ulisses trouxe o irmão Celestino, então com 14 anos, para trabalhar com ele. Ele viria a ser seu sócio depois. O negócio prosperou e, em 1983, ele comprou outro imóvel (local onde permanece até hoje) na mesma rua, onde a mercearia Ao Fiel Barateiro, nome se tornaria um grande supermercado. “Quando se tem honestidade, fé e trabalho a gente consegue vencer. Tem que saber lidar com o público. Acho que esse é o segredo. A gente já enfrentou crise econômica e a chegada das grandes redes, mas seguimos”, disse.

Celestino Augusto Alves Domingues, de 64 anos, é o irmão e sócio de Ulisses. Chegou ao Brasil de avião e com uma carta de chamada na mão. “A vida da gente era muito difícil em Portugal. A cultura dos meus pais ainda era da guerra. Vim para cá com a proposta de sociedade. Desde então trabalhamos muito. No dia 19 de maio deste ano completou 50 anos que cheguei ao Brasil”.

Os irmãos portugueses Ulisses (direita) e Celestino (esquerda) escaparam da fome e mudaram de vida no Brasil (Foto: Rodrigo Montaldi/DL)

Trabalho

O supermercado emprega atualmente 250 funcionários. O estabelecimento, que deve ganhar mais um prédio de estacionamento na rua lateral, chama atenção dos clientes por dar oportunidade a jovens no primeiro emprego e pessoas com idades entre 40 e 50 anos, faixa etária muitas vezes com pouca chance no mercado de trabalho. Entre os colaboradores Ulisses é chamado de pai pela forma como os trata.

“Eu faço questão de pagar plano de saúde para todos do que ter um lucro maior. Se não tiver plano de saúde e for depender do hospital público morre. Eu falo para eles estudarem. Eu não estudei, mas a gente sabe que hoje o estudo é importante. Quem estuda tem oportunidade. Não quero que fiquem parados no tempo. Eles têm que se capacitar para se saírem daqui terem condições de trabalhar em outro lugar. Os meus padeiros eram todos pacoteiros (empacotadores). Temos funcionários com mais de 20 anos de casa”, destacou.

Além dos 250 funcionários, a família de Ulisses e do irmão Celestino trabalha no supermercado. Os dois irmãos são encontrados facilmente no estabelecimento, onde são reconhecidos por clientes antigos que fazem questão de cumprimentar. A fidelidade da clientela fez o comércio, mesmo diante da chegada dos cartões de crédito e débito, manter o sistema de carnê para o pagamento das compras. Até tempos atrás eles ainda utilizavam a antiga caderneta para anotar os ‘fiados’.

Bondade

Ulisses não gosta de falar no assunto, acha que caridade não deve ser divulgada. Mas a Reportagem recebeu mensagens de clientes do comerciante sobre as boas ações feitas pelo empresário, que costuma ser generoso com entidades beneficentes do município. Uma igreja católica localizada no bairro Catiapoã, que leva o nome da santa de devoção da família, Nossa Senhora de Fátima, foi construída por ele. “Tive uma sobrinha muito doente. Ficou por muito tempo desenganada. Somos muito devotos de Fátima e pedimos pela sua recuperação. Ela ficou boa. Desde 1985, todo dia 13 rezamos o terço para ela. Construímos a capela para Fátima. Sou muito abençoado por Deus. O trabalho é bom e não faz mal a ninguém. Agradeço tudo o que Deus me deu”, explicou.

Matheus Felipe de Oliveira, 22 anos, entrou no supermercado como empacotador e hoje atua na padaria (Foto: Rodrigo Montaldi/DL)

A chance do primeiro emprego

O supermercado foi o primeiro emprego de muitos funcionários. Matheus Felipe de Oliveira, de 22 anos, é um deles. Entrou no estabelecimento aos 18 anos, como empacotador, e hoje atua na padaria do comércio e é considerado um dos melhores padeiros do local.

“Foi uma oportunidade que mudou a minha vida. O meu primo trabalhava aqui e falou com o ‘seu’ Ulisses que me contratou. Me dediquei vendo aqueles que faziam certo e fui me espelhando neles”, afirmou Matheus, que mora na Vila Margarida.

Depois do pacote, o rapaz ficou três meses na balança e lá surgiu a oportunidade de ir para a padaria. “Perguntaram se eu queria trabalhar na padaria. Eu aceitei. Sei fazer todo tipo de pão hoje. Nunca imaginei, porque não cozinhava nada. O ‘seu’ Ulisses incentiva muito a gente a crescer”, disse.

O primeiro de Paulo Simões também foi o supermercado. O atual gerente do estabelecimento foi levado pela mãe aos 14 anos ao comércio, que pediu ao proprietário uma oportunidade para o filho. “Comecei no magazine, em 1991, naquela época vendia roupa aqui. Passei por todos os setores da loja. Fui até motorista. Há seis anos estou como gerente. Com 14 anos a gente não sabe nada da vida, mas hoje sei que Deus me capacitou para estar aqui. Me espelho muito no ‘seu’ Ulisses, que tem o caráter de um homem correto e de honestidade”, afirmou.

Atualmente a maioria dos jovens que ingressam no supermercado como empacotador é de instituições que formam para mão de obra para o primeiro emprego.

Geraldo Guedes, encarregado de mercearia, reformou e ampliou a casa com a ajuda de Ulisses (Foto: Rodrigo Montaldi/DL)

‘Ele financiou a obra da minha casa’

Conquistar a casa própria não é tarefa fácil. Mas com a ajuda do ‘patrão’ alguns funcionários do supermercado conseguiram reformar a moradia e melhorar a qualidade de vida. O ‘financiamento do sonho’ é descontado suavemente do salário e eles fazem questão de ressaltar o apoio daquele que consideram como pai.

“O ‘seu’ Ulisses é como um pai. Entrei no mercado adolescente, entre 15 e 16 anos. Precisava reformar a casa, que só tinha dois cômodos. Falei com ele se poderia me ajudar. No meio da obra ele falou para os pedreiros que podia derrubar a casa e fazer tudo de novo. Ele financiou a obra da minha casa”, disse Aron Alexandre, de 45 anos. O encarregado de laticínios trabalha no estabelecimento desde 1988.

O mesmo aconteceu com Geraldo Guedes, de 43 anos. O encarregado de mercearia precisava de R$ 16 mil para terminar a casa. “O tratamento dele é de pai para filho. Puxa a orelha quando tem que puxa. Tenho a minha casa do jeito que sempre sonhei por causa dele”, afirmou.

Patricia Pinto de Castilho, de 42 anos, teve 50% da faculdade de nutrição financiada pelo dono do comércio (Foto: Rodrigo Montaldi/DL)

Sonho da faculdade realizado

A história de Patricia Pinto de Castilho, de 42 anos, tem relação com o desejo de Ulisses, que é ver o crescimento do funcionário. Ela entrou no supermercado como ajudante, aos 32 anos, e atualmente é a nutricionista responsável pela equipe que atua na padaria do estabelecimento.

“Era gerente de loja, nunca trabalhei com panificação ou em padaria. Minha cunhada era confeiteira aqui e falou da vaga de ajudante. Comecei a trabalhar”, destacou Patricia.

A força de vontade da funcionária chamou a atenção de Ulisses, que perguntou se ela tinha o desejo de fazer o curso de Nutrição. “Já tinha feito o curso de confeitaria. Tinha o sonho de fazer faculdade sim, mas não relacionado à comida. Ele veio com a ideia e eu achei que não fosse conseguir pagar, mas fiz o vestibular. Passei e falei para ele. Ele disse que poderia me matricular que ele pagaria 50% do curso”, afirmou.

Em 2015 Patricia se formou e se tornou nutricionista. Assumiu o comando da padaria, que usa meia tonelada de farinha por dia, e atualmente coordena 18 funcionários.

“Tive o sonho da faculdade realizada por ele. O ‘seu’ Ulisses fala, o aprendizado não é meu é seu. É muito gratificante tudo o que ele fez por mim. Ele é um grande professor. Me mostrou um caminho e hoje sou muito feliz”, destacou.