Atrás do Ba-Bahianas vão mais de 70 mil

Bloco, que completou 81 anos, desfilou neste domingo (26) na orla da praia do Gonzaguinha e levou milhares à folia

Comentar
Compartilhar
26 FEV 2017Por Diário do Litoral19h25
Ba-Bahianas reúne mais de 70 mil pessoas em São VicenteFoto: Daniela Origuela/DL

Vestidos de mulheres, o grupo de homens segue na lotação da Área Continental rumo ao desfile do tradicional bloco Ba-Bahianas sem Taboleiro, na Praia do Gonzaguinha, em São Vicente. Da janela do coletivo, que enche a cada ponto de parada, os passageiros acenam para outros que fazem graça ao mostrar os trajes femininos. A família de Diadema, que pela primeira vez está na cidade, também se juntaria às mais de 70 mil pessoas que aproveitaram hoje (26) a folia na orla.

“São engraçados né?”, questiona a senhora de Diadema, que está na lotação. “Lá na minha cidade homem não pode andar de vestido de mulher não. Tiram sarro”, ressaltou. Quando informada que se tratava de uma das características do bloco, ela, que passaria o dia na praia e estava acompanhada do marido e três filhos, não pensou muito: “Vamos descer lá mesmo”.

E lá, no ponto de parada mais próximo ao início do desfile do Ba-Bahianas, na Biquinha, a família de Diadema desceu juntamente com o grupo de homens que usava vestes femininas. A Reportagem seguiu pelas ruas do Centro, que estava movimentada. As vias que davam acesso ao trecho do desfile estavam interditadas e com bloqueio policial. Os agentes checavam se os participantes do evento levavam latas, garrafas, spray de espuma e objetos que pudessem interferir na segurança do evento.

A concentração está cheia. Os carros de som que acompanharão o desfile fazem uma espécie de ‘esquenta’. Há famílias inteiras. Há crianças, jovens e idosos. Há também o cubatense Joseval Eduardo de Oliveira, cuja fantasia de baiana chama atenção no meio da multidão, que se prepara para cair na folia.

“Hoje é a primeira vez que desfilo. Aceitei o convite de um amigo que mora em um apartamento na cidade. Não viria fantasiada de nada, mas, por conta do bloco ter essa tradição dos homens se vestirem de mulher, coloquei a fantasia de baiana”, disse Oliveira. Em 1936, quando o bloco nasceu, no Centro de São Vicente, os homens saiam vestidos de baianas. Por muito tempo houve até concurso para escolher aquele que mais se destacava.

Desfile.

O desfile começa por volta das 11h30. O tempo abre e o sol, ainda tímido, vai surgindo cada vez mais forte. Os grupos que estavam espalhados se juntam. Quatro carros de som e um trio elétrico tocam um repertório variado, que vai do axé ao sertanejo universitário. A criatividade na composição dos trajes não passa despercebida. As roupas das mães, irmãs, tias, amigas e sobrinhas fizeram a diferença. Tem salto alto, maquiagem carregada, vestidos simples - e de gala, shorts, camisolas, cartazes irreverentes e a animação do público que cresce a cada minuto. Das janelas dos apartamentos muitos acenos e celulares registrando a alegria da multidão.  

No alto – e na parte frontal - do trio elétrico, um senhor vestido de baiana se destaca. É Nazir Elias, o presidente de honra do Ba-Baianas. Emocionado, ele se orgulha da grandiosidade do bloco que segue há mais de 50 anos. “Em 1936 o bloco era um bloco patusco. Desfilava-se às 11 horas para depois ir para o Clube do São Vicente. Foi crescendo, crescendo até que chegou a marca de 100 mil pessoas. A organização está impecável, mas digo que o Ba-Bahianas é a desorganização. É um bloco democrático”, comentou.  

Nazir presidiu o Ba-Bahianas por 30 anos. Nos últimos quatro, o bloco teve dificuldades para sair às ruas. “O bloco das Bahianas está ressurgindo das cinzas. Está de novo aqui na rua, apesar do que nós passamos no governo passado. O novo prefeito abriu as portas para ressurgir das cinzas o nosso famoso e tradicional bloco”, afirmou.

Homenagem.  Além dos trajes femininos, o bloco tem como características as homenagens e a irreverência. Neste ano, o Ba-Bahianas usou “Ressurgindo das Cinzas”. Pedro Spilotro, ex- presidente do São Vicente Atlético Clube e fundador do bloco, falecido no início deste ano, e o ex-prefeito Tercio Garcia, que faleceu em dezembro do ano passado foram lembrados durante o desfile.

“Esse ano vamos homenagear duas pessoas, o Pedro Spilotro, que foi um dos fundadores do bloco, e o ex-prefeito Tercio Garcia, que sempre incentivou. Foi no governo dele que o bloco se transformou em patrimônio cultural da cidade. Essa é a nossa gratidão aos dois. A homenagem é a população se divertindo, que é o que sempre quiseram durante a passagem deles por aqui. A alegria da população é uma homenagem a eles”, destacou Fabiano Cutino, atual presidente do Ba-Bahianas. 

Cutino também comentou a organização, que garantiu que o evento terminasse, por volta das 13 horas, com segurança. “Estamos renascendo. A Polícia Militar e a Guarda Municipal nos deu apoio, assim como a Secretaria de Cultura. Foram fechadas algumas ruas de acesso. As pessoas vieram para curtir o carnaval”.

Prefeito destaca organização

Presente ao desfile do Ba-Bahianas, o prefeito de São Vicente, Pedro Gouvêa (PMDB), destacou a organização do evento e a participação da Polícia Militar. A atividade reuniu mais de 70 mil pessoas, segundo a Prefeitura, na orla da Praia do Gonzaguinha.

“Estou muito feliz. A Polícia Militar está de parabéns pela forma como conduziu, nos ajudando na organização dessa grande festa. E hoje nós estamos aqui com segurança participando dessa grande festa com a população e com os turistas. Todos sendo respeitados. Isso é maravilhoso. Temos que, como prefeitura, valorizar a tradição e a cultura, e o carnaval faz parte disso”, destacou Gouvêa.

O prefeito também ressaltou a organização dos desfiles dos blocos por toda a cidade. “Primeira coisa que fiz ao chegar ao desfile foi dar um abraço no presidente de Liga (das bandas e blocos), parabenizá-lo pela forma como foi conduzido o processo do desfile das bandas e dos blocos na cidade. Com mínimas intercorrências. Tudo isso por iniciativa da Liga, pela iniciativa daqueles que fazem a festa e assumem a responsabilidade de organizar juntamente com a prefeitura”, afirmou.

O secretário de Cultura, Fabio Lopez, também destacou a parceria entre o Executivo e o bloco. “Uma grande festa, um grande carnaval desenvolvido em parceria, e a sociedade e a prefeitura caminhem juntas.
Dessa forma que o prefeito Pedro Gouvêa tem conduzindo a gestão. Está aí a prova, um grande carnaval, com mais de 70 mil pessoas na praia. Uma grande festa para São Vicente”, afirmou.