Volta às aulas presenciais gera mobilização em Santos

SindServ e professores lutam contra volta às aulas sem vacina

Comentar
Compartilhar
26 JAN 2021Por Carlos Ratton07h30
Sindserv coloca cartazes para alertar população santistaFoto: Reprodução/Sindserv

Santos inicia sua comemoração de 475 anos sendo cobrada pela decisão de voltar com as aulas presencias em tempos de Covid-19. Hoje, às 10 horas, na Praça das Bandeiras, no Gonzaga, servidores da Educação devem fazer um ato exigindo que a volta às aulas seja somente após toda a comunidade escolar vacinada - alunos, professores e funcionários administrativos. A Prefeitura pretende iniciar as aulas presenciais dia oito próximo.

A decisão foi definida em assembleia do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv). Os trabalhadores também deliberaram uma Carta Aberta à População. Conforme resposta do Governo Rogério Santos (PSDB), O Sindserv fará uma nova avaliação do movimento, na quinta-feira (28), às 19 horas.

"É um absurdo a insistência do Governo de reiniciar em fevereiro as aulas presenciais colocando em risco deliberadamente as crianças, seus familiares, os professores, todos os trabalhadores das escolas e toda a cidade", define a direção do Sindserv.

Segundo o órgão, o País vive um aumento alarmante de mortes por Covid-19, com sistemas de saúde municipais e estaduais chegando ao colapso. "Estamos em pleno avanço da chamada 'segunda onda'. Santos é a cidade com o maior índice de mortalidade do Estado de São Paulo. Já passamos de mil mortes (incluindo crianças). E 6,7% dos casos na cidade são de crianças e adolescentes entre zero e 19 anos", argumenta a Direção do Sindserv.

Conforme revelam, o retorno às aulas presenciais, ainda que escalonado, propiciará um aumento no número de casos e mortes e não modificará os níveis de aprendizagem. "Milhares de servidores já morreram em Santos e em todo o Brasil para garantir os serviços essenciais para a população. A mais justa homenagem que prestamos a eles e aos profissionais de saúde é lutando contra a retomada das aulas presenciais", finaliza.

SEM RISCO HOJE.

Enquanto pretende iniciar as aulas em duas semanas e arriscar a segurança conforme revela o Sindicato, no dia do aniversário, a Administração não quer correr riscos. Devido às medidas de prevenção à Covid-19 e em respeito às vítimas da doença na Cidade, os eventos relacionados ao 475º aniversário de Santos se resumirão a solenidades com público restrito hoje.

Às 8h30, o prefeito Rogério Santos (PSDB) e a vice-prefeita Renata Bravo realizam deposição de flores em homenagem a Braz Cubas, fundador de Santos. Na sequência, às 9 horas, haverá missa na Catedral, sob normas de distanciamento e com uso obrigatório de máscara 
facial.

A última solenidade ocorrerá na Câmara Municipal, com a presença do prefeito e da vice-prefeita junto aos vereadores, também observando as medidas de prevenção a contágios.

PREFEITURA.

Procurada, a Prefeitura informa que o ano letivo inicia no próximo dia primeiro de fevereiro (segunda-feira) e confirma retorno gradual e presencial das aulas dia oito, conforme as novas determinações do Plano SP.

O período de adaptação do jardim, pré e 1° e 2° ano do ensino fundamental sofrerá alteração e será divulgado nesta semana. As demais datas não serão alteradas.

A volta às aulas será realizada no modelo híbrido, ou seja, com aulas presenciais e remotas, seguindo planejamento específico para cada modalidade de ensino e todos os protocolos sanitários necessários para a segurança de todos, conforme amplamente discutido nos encontros da Comissão Escolar.

Finalizando, a Prefeitura de Santos garante que vem realizando testagem rápida da Covid-19 dos profissionais que atuam nas escolas municipais e entidades subvencionadas, mas que as primeiras 9.560 doses da vacina CoronaVac enviadas ao Município pelo Estado devem ser destinadas apenas a profissionais de saúde.